Black Friday: 7 coisas que os lojistas não podem esquecer

Reforço no estoque, experiência no mobile e assertividade nas promoções: especialistas dão dicas para a preparação dos varejistas

O período de preparação para a Black Friday está quase terminando. A esta altura, a maioria dos varejistas já negociou com fornecedores, definiu as estratégias de comunicação e está pronta para rodar as campanhas.

Mas para pequenos varejistas o tempo de preparação pode ser mais curto. Por isso, especialistas listam itens aos quais os lojistas precisam se atentar para a preparação para o dia 29 de novembro. Confira:

1. Infraestrutura

Um dos pontos mais importantes é um planejamento para garantir que o site irá aguentar o aumento de acessos sem instabilidades durante a Black Friday. Desta forma se evita que todos os esforços sejam jogados por água abaixo. O ideal é que todas as mudanças e implementações sejam realizadas com boa antecedência, para que não seja necessário nenhuma alteração no código próximo a data.

Fabio Carneiro, CSO do Promobit, social commerce que reúne as melhores ofertas da internet


2. Reforce o seu estoque

Para garantir o estoque durante esse período, uma das alternativas é recorrer ao empréstimo online. Ao ampliar os recursos financeiros, o lojista consegue movimentar com mais tranquilidade o capital de giro e obter descontos nas compras por meio de pagamentos à vista junto aos fornecedores.

“Durante o período da Black Friday de 2018, registramos um aumento de 50% nos pedidos de empréstimo, motivados principalmente para compra de estoque de produtos. Nossa expectativa para este ano é manter o crescimento em 50% também volume de solicitações de crédito”, explica Francisco Ferreira, sócio-fundador da BizCapital, fintech de crédito para PMEs.


3. Mobile Friendly

“A integração online e offline é ainda mais importante durante a Black Friday para evitar possíveis ruídos. Ter os mesmos produtos disponíveis, por exemplo, na loja física e no app, e ofertas que façam sentido tanto para o varejista quanto para o cliente é essencial”.

Marco Zolet, CEO do Supermercado Now


4. Faça promoções de verdade

“A Black Friday chegou ao Brasil com uma enorme desconfiança sobre a veracidade das promoções, e o comportamento de alguns sites influenciou esta percepção. Mas com o passar dos anos a tecnologia foi uma grande aliada para derrubar falsas ofertas e fortalecer a data, que é hoje uma das principais do varejo on e offline.

Por isso, hoje, para se “dar bem” na Black Friday, o varejista precisa de um trabalho estratégico maior do que trabalhar com promoções de verdade. Uma tática que dá um bom resultado é utilizar promoções de produtos muito procurados como um chamariz para levar as pessoas até o seu site e trabalhar produtos relacionados (com desconto menor) para elevar o ticket médio e aumentar a margem das vendas.

Outro recurso é oferecer frete grátis a partir de um valor, pois muitos consumidores, para aproveitar o frete, vão comprar produtos relacionado à sua promoção como chamariz.”

Fabio Carneiro, CSO do Promobit


5. Foco na experiência do cliente

“A boa relação entre consumidores e marcas merece uma atenção ainda maior nessa época do ano. Por isso, contamos com uma equipe de atendimento ao cliente muito preparada para evitar possíveis problemas e contatar o consumidor o mais rápido possível.”

Marco Zolet, CEO do Supermercado Now


6. Entenda o perfil do seu cliente

“Em um período tão concorrido como a Black Friday, a relevância no conteúdo e no canal é a única saída para aumentar as chances do seu cliente visualizar sua mensagem com as promoções. Um dos principais erros dos lojistas é tentar ativar todos os consumidores ao mesmo tempo.

Por isso, é fundamental identificar analiticamente os consumidores que compram mediante ofertas, pois é esse o público-alvo naquele momento. Esta abordagem evita perder relevância e dinheiro, por exemplo, oferecendo descontos para quem compraria de qualquer maneira”.

Israel Nacaxe, co-fundador da Propz


7. Canal para trocas e devoluções

“Quando falamos em atendimento precisamos pensar em tudo que envolve a experiência do consumidor, desde o primeiro contato até o pós-venda. Sendo assim, é muito importante que os processos estejam funcionando de maneira correta, principalmente, em relação a trocas e devoluções, que é onde os clientes enfrentam mais problemas. A minha dica é: tenha políticas transparentes e clareza nos processos”.

Albert Deweik, CEO da NeoAssist


LEIA MAIS

Brasileiros não pretendem utilizar 13º salário na Black Friday, diz pesquisa
Sequestro de estoque: saiba o que é e como se prevenir