Walmart vai deixar de vender cigarros eletrônicos nos EUA

O Walmart também deixará de transportar todos os dispositivos e acessórios relacionados, incluindo cartuchos e cápsulas

Crédito: Shutterstock

O Walmart deixará de vender cigarros eletrônicos em suas lojas nos EUA. A medida acontece após mortes e doenças relacionadas ao produto aumentarem em todo o país. A empresa também deixará de transportar todos os dispositivos e acessórios relacionados, incluindo cartuchos e cápsulas.

O varejista disse que venderia seu estoque existente antes de sair do mercado. O Walmart possui 5.000 lojas nos EUA, sendo o maior varejista do país.

Uma porta-voz da empresa disse que os produtos eram uma categoria relativamente pequena em geral para a empresa e que espera vender o que ainda sobrou através de mercadorias relacionadas nos próximos meses.

“Em vista da recente complexidade e incerteza em torno da regulamentação de cigarros eletrônicos nos níveis federal, estadual e local, pararemos de vender produtos eletrônicos contendo nicotina nos sites Walmart e Sam’s Club”, disse.

O anúncio ocorre dois meses depois de o Walmart interromper a venda de cigarros eletrônicos com sabor de frutas e sobremesas em suas lojas e elevar a idade mínima para compras de tabaco para 21.

Doenças pelo vaping 

Na semana passada o governo Trump disse que planeja proibir quase todos os produtos vaping com sabor no mercado.

Recentemente, pelo menos oito pessoas morreram de doenças relacionadas ao produto nos Estados Unidos. As autoridades de saúde disseram que houve mais de 500 relatos de doenças pulmonares relacionadas ao uso de cigarros eletrônicos.

Os produtos, que geralmente são comercializados como uma maneira de parar de fumar cigarros tradicionais, ganharam popularidade entre os adolescentes. Segundo Centros de Controle e Prevenção de Doenças, mais de 20% dos estudantes do ensino médio disseram ter usado cigarros eletrônicos no ano passado, contra 12% no ano anterior.

Indústria multibilionária 

A indústria de cigarros eletrônicos revidou a decisão do Walmart. “O fato de o Walmart estar reduzindo o acesso de fumantes adultos a produtos de vapor regulamentado enquanto continua a vender cigarros combustíveis é irresponsável”, afirmou Tony Abboud, diretor executivo da Vapor Technology Association, em comunicado.

Entre os grandes nomes do cenário estão a Juul Labs, empresa de São Francisco que vendeu mais de US $ 1 bilhão em produtos vaping no ano passado, e a RJ Reynolds Vapor Company Vuse.

Esta é a segunda vez este mês que o Walmart se posiciona sobre uma questão importante. Em 3 de setembro, o varejista disse que deixaria de vender munição para armas de estilo militar e não permitiria mais que os clientes carregassem abertamente armas de fogo nas lojas. Outras lojas como a Kroger e Walgreens, seguiram com anúncios semelhantes.

No Brasil, mesmo proibidos, os cigarros eletrônicos são facilmente encontrados na internet.


LEIA MAIS 

Pesquisa mostra que geração Z gosta de fazer compras em lojas físicas
A geração longeva: estratégias para alcancá-laPesquisa mostra WhatsApp como principal canal de atendimento de lojistas virtuais