Varejo de moda registra crescimento depois de período morno

Mesmo com a economia estagnada setor registrou crescimento de 23,7% no mês de julho

Varejo de moda

Quem trabalha com varejo de moda deve ter sentido os efeitos da economia estagnada, que afetou o setor no primeiro trimestre deste ano.

Esse momento morno enfrentado pelos varejistas já apresenta melhoras. Tanto é que 7 das 9 empresas listadas pela B3 (a bolsa de valores oficial no Brasil) registraram crescimento acima da Ibovespa.

Segundo dados do jornal Valor Econômico, juntas totalizaram valor de mercado de R$ 82,6 bilhões, com crescimento de 23,7% (cerca de R$ 16,5 bilhões).

Especialistas ouvidos pelo jornal listam ainda dois fatores pontuais relacionados com a alta no setor. O primeiro deles diz respeito a aprovação da reforma da previdência pela Câmara, que trouxe mais otimismo aos lojistas.

Além disso, a liberação do FGTS, prevista para o mês de setembro, deve impulsionar um consumo adicional ao setor. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e da Confecção (Abit) estão previstos cerca de 6 bilhões de reais a mais de lucro nos próximos dois meses.

E quando se pensa nos números abaixo do esperado nos últimos meses, parte disso se deve ao clima mais quente que o usual no segundo trimestre deste ano. Com isso, varejistas tiveram que impulsionar as liquidações para minar os estoques.

Agora, o tempo frio também deve estimular o mercado com compras de produtos com margem de lucro maior.

+ SOBRE O VAREJO

Varejo apresenta crescimento de 2,2% no primeiro semestre
Varejo paulistano tem desaceleração no primeiro semestre, com crescimento de 1,6%
Empresas tradicionais se reinventam na era dos aplicativos

Varejo de moda