Venda de livros cresce pela primeira vez em meio à crise

Levantamento feito pela Nielsen analisou período entre os dias 20 de maio de 16 de junho e apurou venda em livrarias, lojas e supermercados

Crédito: Shutterstock

Um relatório feito pela Nielsen apontou que a venda de livros cresceu cerca de 4% pela primeira vez no Brasil em meio à crise do setor. O período analisado pelo estudo vai de maio a 16 de junho e compara com o mesmo intervalo do ano passado.

Na comparação os números, pela primeira vez em 2019, ficaram no azul. O faturamento saltou de R$ 107,9 milhões para R$ 112,6 milhões com aumento de 4,37%. Foram 2,85 milhões de exemplares vendidos registrando crescimento de 2,24% em comparação com o ano passado, quando foram vendidas 2,78 milhões de cópias.

No acumulado do ano, a venda de livros nos estabelecimentos monitorados pelo instituto de pesquisa ainda está no vermelho, com queda de 14,5% em faturamento e de 15,07% em volume.

Fechamentos

Entre o fim do ano passado e até agora, a Saraiva fechou quase 30 lojas. Já a Livraria Cultura fechou mais algumas e a Fnac saiu do Brasil. Essas cadeias são muito relevantes na amostragem total do estudo.

Além disso, a crise instalada nas editoras fez com que elas deixassem de vender seus livros pelo canal livrarias. Um outro destaque do estudo é o nível do desconto médio praticado pelos canais de vendas no período acumulado, que ficou 2,15 pontos percentuais abaixo do mesmo período em 2018.

Saraiva fecha mais 3 lojas no RJ e em SP