Varejo paulistano tem desaceleração no primeiro semestre, com crescimento de 1,6%

No mesmo período do ano passado, crescimento foi de 2,9%. Vendas encolheram mais de 3% na capital paulista em junho

Varejo paulistano

Crédito: Pexels

O movimento de vendas do varejo paulistano cresceu em média 1,6% no primeiro semestre deste ano frente ao mesmo período de 2018. O dado é do Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). Isoladamente, o sistema a prazo apresentou alta de 0,8%, enquanto o sistema à vista cresceu 2,3%.

“É um resultado fraco, que reflete o atual momento de inércia da atividade econômica. A perda de fôlego é ainda mais acentuada quando olhamos para o primeiro semestre do ano passado, período em que o varejo havia registrado elevação de 2,9%. Somente novos cortes na taxa básica de juros e reduções no recolhimento dos compulsórios dos bancos poderão reverter essa desaceleração”, explica Marcel Solimeo, economista da ACSP.

LEIA TAMBÉM
De Mao a Ma: como a China trabalha para tomar o posto de maior economia do mundo

Ele também observa que o desempenho melhor do sistema à vista – que corresponde basicamente a vestuário, calçados, adereços e objetos de uso pessoal – é justificado pela conjuntura macroeconômica. “As pessoas não têm dinheiro sobrando, portanto, tendem a comprar produtos de menor valor”.

Por essa mesma razão, o sistema a prazo – que engloba móveis, eletrodomésticos e eletroeletrônicos – cresceu menos. “O consumidor está fugindo de prestações. A queda da confiança, o desemprego elevado e os juros de mercado ainda altos o assusta”, diz Solimeo, lembrando que a Copa do Mundo do ano passado também criou uma base forte de comparação.

Em junho, o varejo paulistano apresentou uma retração média de 3,2% sobre o mesmo mês de 2018, sendo -1,2% nas vendas a prazo e -5,2% nas vendas à vista. O resultado é explicado pelos dois dias úteis a menos que junho deste ano registrou