Conhece o GIS? Saiba o que a ferramenta pode fazer por sua loja

Grandes e pequenos varejistas usam o sistema para otimizar estratégia de marketing e expansão. GIS pode ser usado de três maneiras

GIS

Fonte: Imagem

O Sistema de Informações Geográficas (SIG), ou GIS (Geographic Information System), foi desenvolvido para armazenar e manipular todos os tipos de dados geográficos. As aplicações da tecnologia variam: a Natura usa o sistema para gerenciar sua cadeia de suprimentos, mapeando, por exemplo, a origem de cada remessa de ingredientes. Já a GM usa o GIS para entender melhor o desempenho das vendas nas concessionárias. Pequenos varejistas também podem se beneficiar da solução, usando para otimizar a logística e melhorar a estratégia de marketing e expansão.

Como funciona

O GIS é uma plataforma que coloca em mapas todo tipo de informação que a contratante deseja. Ou seja, as grandes redes varejistas, por exemplo, conseguem mapear suas 500 lojas e inserir dados como faturamento e número de funcionários. Desta forma é possível navegar pelo mapa para analisar o faturamento por região ou base de clientes por cidade.

Dashboard do sistema GIS, distribuído no Brasil pela Imagem / Divulgação

O volume de dados armazenados no sistema varia por empresa contratante, já que é o cliente quem alimenta o sistema. No Brasil, a Imagem é uma das empresas que oferece a solução, operando o sistema ArcGIS, criado pela norte-americana Esri.

Diogo Reis, especialista em marketing da Imagem, explica que o software pode ser usado de três maneiras e que uma não elimina a outra:

1 – Sistema de registro

O varejista pode colocar no sistema seus dados para ter uma perspectiva espacial. Informações como localização dos PDVs, faturamento, número de funcionários e vendas por item podem ser inseridas no software. Usando o GIS como sistema de registro é possível entender melhor quais são as lojas de maior desempenho por região e perfil sócio-econômico dos bairros.

2 – Ferramenta de análise

O GIS traz consigo um grande poder analítico. É possível combinar os dados da empresa com informações externas, como localização dos concorrentes e pontos de grande movimento que podem atrair pessoas para o PDV. Além disso, o software tem uma base de dados públicos que podem ser úteis aos mapas das empresas.

Fonte: Imagem

O setor de logística das varejistas tem potencial para ser amplamente beneficiado. Com a ferramenta, é possível avaliar o melhor local para concentrar um Centro de Distribuição, traçar novas rotas e ganhar em eficiência na operação logística. Profissionais de geomarketing, abordagem que busca planejar atuação no mercado usando a inteligência geográfica, conseguem tirar proveito do sistema.

3 – Sistema de engajamento

Ao confeccionar os mapas com os dados cabíveis para cada situação, os colaboradores conseguem trocar melhor sobre qualquer tomada de decisão. A distribuidora do sistema no Brasil, a Imagem, disponibiliza o sistema em nuvem e permite que os clientes tenham acesso rápido à plataforma.

Adesão

Reis, da Imagem, fala sobre as diferenças entre pequenos e grandes varejistas no momento de contratar a solução. “Os pequenos nos procuram para demandas pontuais, como procurar o melhor local para posicionar um outdoor. Já as grandes têm uma visão mais corporativa, sabem que a ferramenta atende a parte de logística, marketing e liderança corporativa”, explica. Porém, todas as funcionalidades do sistema podem ser exploradas tanto por grandes empresas como por pequenas varejistas.

Para o especialista, não é preciso um profissional dedicado ao sistema, já que a plataforma é intuitiva. É possível comprar a licença perpétua do GIS para desktop e nuvem ou realizar uma assinatura anual. Na nuvem, a solução funciona com login e senha. O programa para desktop tem mais funcionalidades.

LEIA TAMBÉM
Ofertas geolocalizadas são o futuro do marketing de varejo?