Artigo: Small data ou big data?

Compreender o comportamento do cliente requer esforços multidisciplinares atrelados a uma ampla base de dados de consumo. Entenda

(Crédito: unsplash)

Tenho refletido muito sobre os desafios que os profissionais de Marketing têm frente a quantidade de informações a serem analisadas e de como é fundamental conectar os diversos pontos para gerar poderosos insights, entendendo melhor os consumidores e sua jornada de compra phygital. Atualmente presencio certo desespero em alunos e clientes, que relatam a dificuldade em analisar e processar a enxurrada de dados externos e internos em suas empresas. A tecnologia oferece ferramentas para transformar dados em informações, porém a expectativa é que o dashboard traga não só a análise pronta, mas os planos de ação desenhados para implementação. E todos sabemos, ainda não chegamos nesse estágio de desenvolvimento da Inteligência Artificial.

O comportamento do consumidor é uma ciência multidisciplinar em sua essência e por isso devemos recorrer aos diversos campos do conhecimento para entender suas nuances, as mudanças frequentes nos estilos de vida, a interação com as marcas, os interesses, o consumo, enfim os estímulos que captam a atenção dos consumidores. As informações são fundamentais aos negócios e embasam a tomada de decisão, porém não se deve desprezar os dados coletados nas vivências etnográficas, na interação com os consumidores e shoppers, ou seja, nas “entrelinhas”, que são as pistas nem sempre são verbalizadas em pesquisas, canais de atendimento ou expostas nas redes sociais.

Nuances da escolha

Me lembro de alguns exemplos em minha experiência, onde extraímos insights visitando lares de consumidores para entender a importância da categoria de higiene e beleza para as mulheres de classe média. Notamos em muitas casas o “altar da beleza”, uma espécie de santuário de cosméticos que ficava no quarto ou na sala, simbolizando a vaidade e sobretudo o status da família, que possui acesso a produtos caros de marcas consagradas. Ou mesmo entendendo que a valorização da roupa branca pelos consumidores de classe C está conectada não só aos cuidados que a dona-de-casa tem com a família, mas sobretudo ao caráter e dignidade dos membros familiares.

Acredito, como muitos estudiosos já alertaram, que a combinação inteligente do Big Data ao Small Data[1] é o caminho para evidenciar insights relevantes que podem transformar marcas de serviços e produtos em sucesso junto ao mercado.

[1] LINDSTROOM, Martin. Small Data. Harper Collins, 2016.