Startup de logística expande pontos de retirada e se apresenta como alternativa aos Correios

Pegaki já conta com mais de 600 pontos para retirada de encomendas e agora atende a pedidos feitos em qualquer e-commerce

Crédito: Shutterstock

A Pegaki anunciou que vai ampliar sua solução de entrega de mercadorias. A startup de logística cria pontos de retirada para compras feitas no e-commerce. Antes, a solução estava disponível apenas para quem comprasse em e-commerces parceiros. Agora, os consumidores podem comprar em qualquer loja virtual e retirar seu pedido em um estabelecimento comercial escolhido.

LEIA MAIS
As promessas de iFood, Rappi e Grow para otimizar os serviços de delivery
Correios vão aumentar preço do frete em 8% a partir de março
Startup de pontos de retirada quer cobrir o vácuo deixado pelos Correios

Como funciona

A startup catarinense se apresenta como uma alternativa aos Correios. Para usar o serviço, o cliente entra no site da Pegaki e faz um cadastro informando o CEP do local onde está, para receber indicações de pontos de retirada próximos daquele endereço.

Após escolher o produto que quer comprar, o consumidor informa em qual e-commerce vai fazer a compra. Ele recebe um e-mail com o endereço do ponto de retirada e um código, que deverão ser utilizados na página de compra do produto.

Com o código e o endereço em mãos, o cliente preenche a página de compra no e-commerce e, no endereço de entrega, insere o endereço do ponto de retirada. O código deve ser inserido no campo complemento. O código entra no sistema da Pegaki e, assim que o produto chegar no ponto de retirada, o cliente recebe um SMS avisando. A taxa de utilização do serviço é de R$ 4,95 por compra. São permitidas apenas entregas que não excedam 15kg.

A Pegaki disponibiliza mais de 600 endereços para a retirada. Farmácias, shopping centers e supermercados estão na lista. Hoje, a startup atua apenas em São Paulo. O objetivo é alcançar 3.000 pontos de retirada, quase a metade do número de agências dos Correios. A responsabilidade de entregar o produto no ponto de retirada é do e-commerce.

A proposta da Pegaki não é trabalhar com lockers, e sim com espaços ociosos nos estabelecimentos. A intenção é gerar valor para todos os envolvidos: o e-commerce, que ganha mais uma forma de entrega, o estabelecimento, que atrai mais pessoas e o consumidor, que pode escolher quando e onde retira seu produto.

Parceiros

O modelo inicial da Pegaki não trabalhava diretamente com o consumidor. O CEO e fundador da empresa, João Cristofolini diz que a primeira solução continua funcionando normalmente: os e-commerces parceiros inserem em sua página a opção de retirar em um dos pontos. “A ideia é ele (consumidor) tenha a liberdade de usar a proposta de logística da Pegaki em todas as suas compras e não esperar que aquele e-commerce seja um parceiro nosso para usufruir dos pontos de retirada”, explica Cristofolini.

Cristofolini está otimista com o lançamento do novo serviço, ele acredita que o modelo já foi bem recebido pelos consumidores no Brasil. “As pessoas não toleram mais atrasos nas entregas, não podem ficar em casa esperando o dia que a encomenda vai aparecer e também não conseguem ir a uma agência dos Correios porque estão trabalhando. Esse modelo de pick up points dá ao consumidor a possibilidade de ir buscar sua compra em um estabelecimento próximo da sua casa ou do seu trabalho em um horário que cabe na agenda dele”, reforça.
Em 2019, a Pegaki pretende lançar três novos formatos de serviços para esses comércios eletrônicos parceiros. As novidades são: pontos de retirada exclusivos; inserção de pontos de coleta de mercadoria para as transportadoras e expansão do serviço de logística reversa.