Amazon vai fechar 87 pop-ups para investir em lojas permanentes

Nova rede de supermercados, milhares de novas “Amazon Go” e expansão da livraria e do modelo 4-Star estão nos planos da Amazon, segundo a imprensa norte-americana

Crédito: Divulgação

A Amazon vai fechar todas as suas 87 lojas pop-up nos Estados Unidos. Segundo o The Wall Street Journal, a empresa vai começar a fechar as primeiras unidades no final de abril. As operações temporárias funcionam dentro de lojas da rede de supermercado Whole Foods (que pertence à Amazon), das lojas de departamento da Khol’s e shoppings.

LEIA MAIS
E-commerce do Walmart vai ameaçar domínio da Amazon, diz analista
Amazon cancela novos planos para Nova York por questões políticas
Amazon cresce 20% no último trimestre de 2018. Brasil é destaque

Agora, o foco de Jeff Bezos está em lojas próprias, permanentes e que ofereçam um portfólio mais abrangente. O movimento da Amazon deve colocar em operação também uma nova rede de supermercados. Os fechamentos não devem atingir as lojas “Amazon Go“.

As lojas pop-up permitem que os clientes experimentem produtos fabricados pela Amazon, como Kindles, alto-falantes inteligentes e tablets, além de venderem serviços oferecidos pela empresa, como o Prime Video, streaming de filmes e séries. “Em toda a nossa rede, avaliamos regularmente nossos negócios para garantir que tomemos decisões ponderadas sobre como podemos atender melhor nossos clientes”, disse um porta-voz da Amazon ao portal da CNBC.

4-Star e livraria em expansão

Depois de fechar todas as pop-up, a Amazon vai apostar em dois modelos já existentes: o 4-Star e as livrarias. “Estamos expandindo a Amazon Books (livraria) e a Amazon 4-Star, onde fornecemos uma experiência mais abrangente e uma seleção mais ampla”, disse o porta-voz ouvido pela CNBC.

O formato 4-Star estreou em setembro e vende apenas produtos avaliados com quatro ou cinco estrelas. Isso significa que apenas os itens mais vendidos, mais novos ou populares no site da Amazon estão disponíveis na loja. Os produtos são acompanhados das avaliações de clientes, assim como acontece no online, com cotações de avaliações em tempo real.

Já o modelo Amazon Books traz para a loja física a venda de livros, atividade que consagrou a empresa no online. Os livros que a loja oferece são escolhidos com base em dados coletados pela Amazon na venda de livros pelo e-commerce. A companhia  também usa as informações para mostrar quais são os produtos mais colocados na lista de desejos dos usuários, além disso, quem visita a loja encontra os comentários deixados no site pelos consumidores sobre os livros.

Amazon Go

Um relatório da Bloomberg, divulgado em setembro do ano passado, afirmou que a Amazon planeja abrir 3.000 lojas do modelo “Go”. Hoje, as famosas lojas sem caixa estão em três locais nos Estados Unidos. A loja automatizada pode representar o fim das filas e do checkout no offline.

Nova marca 

Além dos formatos, uma nova marca supermercadista pode ser anunciada em breve. Segundo o The Wall Street Journal, a Amazon planeja abrir “dúzias” de mercadinhos de baixo custo, com um conceito que se diferencia da Whole Foods. A primeira loja deve ser aberta ainda neste ano, em Los Angeles. As novas lojas terão, em média, 10.600 metros quadrados.