Instabilidade do dólar reduz vendas de smartphones no Brasil

Mercado de smartphones retraiu no terceiro trimestre do ano passado por conta da alta do dólar. Tíquete médio apresentou alta no período. Confira

cred: Shutterstock

O mercado de celulares no Brasil registrou 11,49 milhões de aparelhos vendidos, sendo 10,8 milhões de smartphones e 617 mil feature phones. Os números são referentes ao terceiro trimestre (de julho a setembro) e representam queda de 7% na comparação com o mesmo período de 2017. Os dados são do estudo IDC Brazil Mobile Phone Tracker Q3, realizado pela IDC Brasil.

O trimestre registrou também o menor volume de vendas na comparação com os dois períodos anteriores. No primeiro trimestre foram vendidos 12,07 milhões de aparelhos e, no segundo trimestre, 12,05 milhões, quedas de 1,8% e 5,5%, respectivamente, em relação aos mesmos períodos de 2017.

A receita total do mercado de celulares no período foi de R$ 14,672 bilhões, sendo R$ 14,583 bilhões gerados pelas vendas de smartphones e R$ 89,2 milhões de feature phones.

O trimestre deve ser confirmado como o menos representativo do ano, já que o último é, por tradição, o que registra as melhores vendas por conta da Black Friday e do Natal.

Instabilidade do dólar

Renato Murari de Meireles, analista de mercado em Mobile Phones & Devices da IDC Brasil, explica que, tradicionalmente, há uma desaceleração no terceiro trimestre. Segundo ele, o consumidor tende a comprar menos nesse período do que no início do ano, quando aproveita as promoções e liquidações de verão, ou no segundo trimestre, quando há uma data comemorativa de grande apelo comercial como o dia das mães. “Em 2018, além dessa questão histórica, as vendas do terceiro trimestre foram impactadas pela instabilidade de dólar, proximidade das eleições e incertezas políticas”, explica o analista da IDC.

Os smartphones intermediários premium foram os preferidos do consumidor no período. Os itens são aqueles que custam entre R$ 1.100 e R$ 1.999. Essa categoria cresceu 56% no terceiro trimestre.

Tíquete médio maior

Apesar da retração das compras, o tíquete médio dos smartphones também aumentou e foi para R$ 1.340, 19,9% a mais que o terceiro trimestre de 2017. “O consumidor está investindo em aparelhos de tela com borda infinita, mais memória e câmera mais potente, modelos que também têm sido impulsionados pela indústria, com vários lançamentos”, revela Meireles.

No caso dos feature phones, o tíquete médio aumentou 29,5% e eles passaram a custar, em média, R$ 145. “As fabricantes, principalmente as brasileiras, continuam lançando celulares básicos e ganhando o mercado, enquanto menos “aventureiros” estão entrando para o segmento”, diz o analista da IDC.