Por que a Amazon é a marca mais valiosa do mundo?

Levantamento de uma consultoria britânica aponta a marca como a mais valioso do mundo em 2018. Saiba os motivos que têm levado a Amazon ao topo

A Amazon foi apontada como a marca mais valiosa do mundo ao fechar o ano de 2018 com uma valorização de 25%. Segundo um relatório da consultoria inglesa Brand Finance, a marca vale 187,91 bilhões de dólares, quase 35 bilhões a mais que sua principal concorrente nessa disputa, a Apple, que vale 153,6 bilhões. Google e Microsoft vêm na sequência.

O segredo da Amazon para desbancar as concorrentes está, em especial, na sua nuvem. A AWS controla 40% do mercado de nuvem público nos EUA, de acordo com um estudo da Synergy Research Group. A receita anual desse braço da Amazon em 2018 foi de 23 bilhões de dólares.

LEIA MAIS
Amazon passa a operar centro de distribuição no Brasil e anuncia novas categorias
Amazon insiste em entrega por drones e fecha parceria com a NASA
Amazon é acusada de destruir milhares de produtos na França

Mas nem só de tecnologia vive a Amazon, seus processos também permitem à empresa desempenho exuberante no varejo, em especial, no e-commerce, onde a empresa nasceu. Metade de todas as vendas que aconteceram pela internet ao longo do ano passado nos EUA ficou na mão da empresa de Jeff Bezos.

Marketplace

O destaque dentro das vendas on-line fica por conta, principalmente, do aumento da participação do marketplace e das vendas dos sellers. Essa operação representou 31,3% de todas as vendas on-line, com um aumento de 35,6% em relação ao ano anterior, segundo o portal eMarketer. Ainda assim, a Amazon possui apenas 5% das vendas do mercado varejista americano. Ou seja, ainda tem espaço para crescer.

Alexa

Se a nuvem e o varejo estão estabelecidos, o que mais surpreendeu ao longo do ano passado foi o desempenho de “outros negócios”, que inclui, por exemplo, a Alexa, assistente virtual da empresa e a parte de anúncios. Esse segmento cresceu 122% no período avaliado.

Farmácia e produtora

Ano passado, a Amazon gastou 1 bilhão de dólares para comprar a rede on-line de farmácias PillPack. A ideia da empresa é entrar num setor super promissor sem ter que se submeter a todo trâmite burocrático e limitação de ações impostos pelo governo americano para novos entrantes do setor. Em vez de esperar os prazos e limitar sua atuação, a Amazon resolveu se estabelecer de maneira inorgânica.

Outro braço que ainda não se fortaleceu o suficiente para alavancar os resultados é o Amazon Studios, que procura produzir programas de televisão e filmes exclusivos para a plataforma de vídeo em streaming, a Amazon Prime Video.