Vendas a prazo sustentam crescimento do varejo paulistano em novembro

Levantamento da ACSP aponta aumento nas vendas a prazo em relação a novembro do ano passado. Black Friday impulsionou números na segunda quinzena. Confira

Crédito: Shutterstock

Enquanto as vendas à vista recuaram 2% em novembro no varejo físico da cidade de São Paulo, a modalidade a prazo subiu 5,5%, segundo o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

A entidade avalia que o aumento das compras parceladas é resultado dos juros baixos. Porém, um levantamento feito pelo site MoneYou em parceria com a Infinity Asset Management aponta que, mesmo com a queda da Selic para 6,5%, o Brasil sustenta a sétima posição entre os países com maior juro real do mundo.

Sem queda sensível nos juros reais e com o endividamento recorde, com mais de 62 milhões de brasileiros endividados, o aumento das compras a prazo pode impulsionar o comércio num primeiro momento, mas tornam-se um desafio para os próximos meses, sob risco de aumentar ainda mais a explosiva situação do endividamento familiar.

Black Friday

Não fosse o crescimento da Black Friday em novembro deste ano na comparação com o evento do ano passado, o varejo físico teria registrado retração. O movimento de vendas cresceu 1,8% em relação a novembro do ano passado, segundo o Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

A entidade esperava para o mês passado crescimento de 3%. “Na primeira quinzena de novembro, as vendas caíram, mas com a Black Friday no fim da segunda quinzena o resultado foi revertido e o varejo físico fechou o mês no azul”, comenta Alencar Burti, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).