Foco em PMEs e transformação digital do offline: o 2019 do Mercado Pago

Empresa de pagamentos do Mercado Livre teve crescimento de quase 60% em volume de transaçãos neste ano. O foco agora está em QR Code e pequenos empresários

Crédito: Shutterstock

Após conseguir uma licença para atuar como instituição financeira no Banco Central, o Mercado Pago anunciou  uma novidade em sua conta digital. A partir desta semana, a instituição de pagamento do Mercado Livre passa a dar rendimento aos seus clientes. O saldo na conta digital terá rendimento de 5,2% ao ano.

Os clientes precisam apenas ativar uma função no aplicativo do Mercado Pago para que o dinheiro comece a render. É possível aportar valores  por meios de boletos ou em casas lotéricas. Para quem vende com Mercado Pago, o saldo é atualizado de acordo com o montante das vendas, seja no Mercado Livre – com a maquininha de cartões de crédito – ou via checkout em lojas online.

Foco em PMEs

A novidade vale para todos os cadastrados, tenha ele  CPF ou CNPJ. O público-alvo do Mercado Pago, porém, são os micro e pequenos empresários. A empresa permite que o dinheiro das vendas vá para a conta digital e já comece a render.

A conta digital tem uma interface muito parecida com as plataformas do Nubank ou do Banco Neon. Agora, com uma rentabilidade de 5,2%, a solução da empresa argentina fica ainda mais parecida com as das fintechs brasileiras. Mesmo assim, Tulio Oliveira, diretor do Mercado Pago, garante que o público  são os empresários. “Por enquanto estamos olhando para os pequenos e micro empresários. A chegada de outros clientes é natural”.

Expansão do QR Code

Cerca de 50.000 estabelecimentos já estão aceitando pagamentos por QR Code via aplicativo do Mercado Pago. A intenção da empresa de pagamentos é consolidar uma etapa do processamento. Com a tecnologia, os varejistas não precisam mais de um adquirente.

A empresa trabalha no sistema de gestão das lojas. Ao invés de o QR Code ser apenas uma “perfumaria”, a ideia é que ele realize transferências de uma conta para outra. Em um restaurante, por exemplo, os garçons entregam a conta que já vem com o código. Basta escaneá-lo via aplicativo para que a plataforma mostre quais produtos foram consumidos e o valor total da compra.

Para pagar, os consumidores podem optar por um cartão de crédito cadastrado na plataforma ou pelo pagamento diretamente da conta do Mercado Pago. Alguns restaurantes já estão trabalhando com o Mercado Pago para tornar o processo ainda mais rápido. O código pode aparecer diretamente nos cardápios nos próximos meses. O Mercado Pago já tem parcerias com redes como America, Nut Bavarian e Pizza Hut.

De 2018 para 2019

Para conseguir um resultado ainda melhor no ano que vem, a estratégia do Mercado Pago é digitalizar o mundo offline. Em 2018, a empresa fechou uma parceira com a Caixa Econômica Federal para realizar o pagamento de alguns prêmios da loteria, permitir a recarga de cartões do Bilhete Único de São Paulo e lançou o pagamento via QR Code.

A estratégia rendeu bons resultados: foi a primeira vez que, em um trimestre, o volume de transições feitos pelo Mercado Pago foi maior fora do que dentro do Mercado Livre. O dado mostra o amadurecimento da empresa no segmento. O volume processado atingiu US$ 4,6 bilhões em oito países, um crescimento de 59,1% em relação ao fechamento de 2017. O número de transações cresceu 66,7% e chegou a 103,9 milhões.

Sem dar detalhes, Oliveira alertou para novidades nos próximos meses. O executivo deu apenas uma pista sobre um dos futuros lançamentos: “existe uma demanda dos nossos clientes por um cartão de crédito”. Hoje, a conta tem apenas cartões pré-pagos.