A solução da Leroy Merlin para adequar suas lojas físicas à precificação dinâmica

A varejista de materiais de construção e produtos para o lar Leroy Merlin aponta em um sistema de produção de etiquetas que integra 41 lojas

foto: Germano Luders (Veja)

A Leroy Merlin conseguiu um ganho operacional expressivo otimizando um processo tão antigo quanto vender produtos em gôndolas, a precificação por cartazes e etiquetas. Só nas etiquetas houve uma economia de 15% em relação ao processo anterior com o uso de tecnologia para a uniformização dos preços e impressão rápida dos mostradores.

Para além das etiquetas de preço, a parceria entre a varejista de material de construção e produtos para a casa com a startup Pricefy trouxe outros benefícios, como um modelo mais eficiente de criação e gestão de cartazes promocionais.

Para isso, é utilizado um software com templates universalizados para integrar as ofertas divulgadas com o sistema de caixa, de modo a evitar erros de cobrança que não são raros no grande varejo por conta da grande quantidade de SKUs e itens disponibilizados nas prateleiras. Além do que, a conferência manual está sempre sujeita a erros.

41 lojas integradas

Iniciada em fevereiro de 2017, a integração da startup com a Leroy Merlin foi finalizada em novembro deste ano, quando ocorreu o rollout na última das 41 lojas da rede. Hoje, a plataforma é utilizada para a criação de mais de um milhão e meio de etiquetas de preço e duzentos mil cartazes de promoção por mês na empresa.

“A mudança nos cartazes ajudou a reduzir erros de precificação e deu muita agilidade”, fala Paulo Barquette, líder de processos operacionais na Leroy. Enquanto antes a criação de um cartaz era centralizada em um funcionário por loja e podia levar até três dias, agora o material usado na divulgação de uma oferta fica pronto em até 15 minutos e pode ser feito por qualquer um, explica ele.