Pedido e pagamento em loja do Café Suplicy serão feitos por aplicativo

Tecnologia será adota em unidades 11 localizadas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Consumidor usará QR Code para fazer suas compras

Rede aposta no honest market (mercado da honestidade) para incentivar uso do aplicativo/ Crédito: Shutterstock

A rede de cafés Suplicy passou a oferecer uma nova experiência de consumo em algumas unidades da rede localizadas nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. Desenvolvido em parceria com a Visa, o aplicativo permite ao cliente realizar o pedido e o pagamento com antecedência no app da loja e passar no local apenas para retirá-lo.

O dispositivo pode ser usado nas lojas localizadas na WeWork em que a marca já está presente.  São nove em São Paulo e duas no Rio. A previsão é de que o modelo seja adotado em outras unidades durante o primeiro semestre de 2019.

Quando acessar o aplicativo, o consumidor selecionará a loja que está e a câmera do celular será habilitada para ler o QR Code da gôndola. O produto escolhido será adicionado ao carrinho de compras do app e, após confirmação, o pagamento será feito via cartão de crédito ou vale refeição cadastrado. Também será possível cadastrar o meio de pagamento no Visa Checkout.

Nas máquinas (vending machines) ainda há terminas de pagamento, mas sem a presença de funcionários. A rede informa que os equipamentos, em breve, também serão integrados ao aplicativo de pagamento sem meio físico.  Apenas nos pedidos que envolvem a entrega de café espresso ocorre a intervenção de um colaborador.

O modelo funcionava, em período de testes, somente na loca da Suplicy no conjunto São Paulo Corporate Towers. Nela, o cliente faz o pedido e o pagamento sem a necessidade de ir até a loja. Ele só vai ao local para a retirada. O delivery pode ser feito de qualquer ponto do prédio.

Com a tecnologia, a rede aposta na consolidação do chamado honest market (mercado da honestidade), no qual o lojista confia na boa-fé do cliente para não ter prejuízos em ambientes com pouca presença de colaboradores.

Leia mais: Apenas 206 cidades brasileiras estão totalmente prontas para os meios de pagamentos eletrônicos