A boa saúde das farmácias

Redes celebram o bom momento para o setor e investem em pontos físicos, transformação digital e, claro, jornada do consumidor

cred: Shutterstock

Em um intervalo de quatro anos, as farmácias e drogarias abriram mais de 2 mil novas lojas no País, indo na contramão da previsão de que as lojas físicas estariam com os dias contados. No ano passado, as 24 redes vinculadas à Abrafarma (Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias) faturaram R$ 44,41 bilhões, um crescimento de quase 9% em relação a 2016, que, por sua vez, já havia registrado 11% de acréscimo no faturamento. As contratações feitas pelas redes também foram 9,29% maiores. Esses dados refletem 45% do faturamento do setor, que registra mais de 76 mil farmácias no País.

Esses números se dissociam do mercado brasileiro em geral, que, nos mesmos quatro últimos anos, vem sofrendo com um PIB que se estica para ultrapassar o 1% em meio à falta de trabalho para quase 13 milhões de pessoas e a instabilidade política.

Os primeiros seis meses de 2018 indicam que o setor manterá sua trajetória ascendente, tendo registrado aumento de 7,54% em relação ao mesmo período do ano passado, enquanto a média do varejo foi de 3,1%, segundo a Boa Vista SCPC. De acordo com a Abrafarma, os remédios isentos de prescrição médica – conhecidos pelas siglas MIPs/OTCs – foram os principais responsáveis pelo resultado. Com faturamento superior a R$ 3,5 bilhões, essa categoria teve um avanço de 15,42% e representou 16% das vendas totais.

Na avaliação da Abrafarma, o aumento da quantidade de farmácias é reflexo de uma busca crescente dos brasileiros por mais qualidade de vida e estar bem consigo mesmos. “É uma questão dos tempos modernos. O Brasil está envelhecendo e o sistema de saúde público não consegue absorver tanta demanda em um território imenso”, afirma, em nota, Sergio Mena Barreto, presidente-executivo da associação.

Para superar os 10% de crescimento em 2018, a Abrafarma aposta na boa gestão de estoques, para evitar ruptura e capturar vendas a partir do lançamento de produtos inovadores que venham a conquistar os consumidores. Barreto também credita o resultado aos investimentos realizados em inovação.

Confira a matéria completa na edição de setembro da NOVAREJO.