O Varejo na Era Digital

Rogério Soares, sócio da Enéas Pestana & Associados, fala sobre a transformação digital do varejo brasileiro e cita GPA e Magazine Luiza como exemplos

Crédito: Shutterstock

A transformação digital está cada vez mais presente na vida dos varejistas brasileiros, que têm começado a olhar com mais cuidado para o assunto recentemente. No Brasil, o e-commerce representa apenas 3% do total de vendas do varejo. Esse número é pequeno quando comparado com os Estados Unidos e a Europa, onde o índice de compras feitas pelo e-commerce chega a quase 10%, e com a China, que possui 20% de todas as vendas feitas pelos meios digitais.

Apesar de a digitalização ainda ser vista com timidez, em julho deste ano, a ABComm divulgou que o faturamento do e-commerce do País pode chegar a R$ 37,9 bilhões no segundo semestre de 2018, o que representaria um crescimento de 15% quando comparado com o mesmo período de 2017.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Isso comprova que uma nova era digital está se consolidando e que o consumidor, cada vez mais conectado, rápido e bem informado, vem exigindo uma experiência de compra mais prática e cômoda, fazendo com que o varejo tenha que se adaptar para atender a esta nova demanda.

Mais do que digitalizar as suas operações, o sucesso para a transformação está na mudança de mindset e da cultura de uma empresa, já que há a quebra de um paradigma, em que todas as áreas precisam trabalhar em conjunto para a criação de estratégias inovadoras. Para isso, é preciso entender o papel da transformação digital na companhia e alterar a maneira de conduzir este processo. O desafio principal para o varejista é apresentar para o seu time o quanto a era digital pode trazer um cenário mais integrado, transformando, assim, os ambientes para proporcionar a mudança de mentalidade.

Um exemplo concreto de inovação nas estratégias para unificar as operações físicas e digitais vem do Grupo Pão de Açúcar, que criou um aplicativo de descontos. O programa sugere ao consumidor que estiver dentro da loja uma série de promoções, baseadas nos dados de compra das últimas visitas dele ao supermercado. Ações como essa servem para gerar dados que oferecem mais informações e novas oportunidades de criação de valor para a companhia.

Outro exemplo é o do Magazine Luiza, que entendeu que era possível integrar pontos físicos de venda com o e-commerce para proporcionar uma melhor experiência para os seus consumidores e, consequentemente, o crescimento da rede varejista. Atualmente, 30% das vendas do Magazine Luiza são feitas on-line e, em 20%, o cliente opta por retirar na loja.

Além disso, outros segmentos como o têxtil estão mostrando cada vez mais interesse na era digital. Durante um dos painéis do BR Week deste ano, o presidente do Conselho da Tom Tailor Holding, Thomas Tochtermann, afirmou que até 2020 a maior parte da manufatura será formada por robôs e que a aplicação do digital pode reduzir em até 48% o tempo em que um produto passa por toda a cadeia, produzindo somente aquilo que realmente é demanda, havendo, assim, menos desperdício.

Seja como for, a transformação digital já é uma realidade no varejo brasileiro. O processo demanda maturidade, estratégia e inovação das companhias para saberem aliar os pontos fortes do on-line e do off-line, a fim de gerar melhores resultados, e poderem aproveitar deste processo que é inevitável.

Por Rogério Soares, Sócio na Enéas Pestana & Associados.