Fábricas supervelozes da Adidas derrubam tempo de produção e entrega

As speedfactories da Adidas permitem à marca levar parte da produção de volta aos EUA e aspotar alto em produtos customizados, como o tênis AM4

Crédito: Shutterstock

Ainda no ano passado, a Adidas anunciou sua nova linha de calçados personalizados. Os produtos são feitos sob demanda em suas novas fábricas, as speedfactories, modelo de fábrica que contempla todas as etapas da produção.

A nova instalação produz em alguns dias calçados que demoravam meses para serem fabricados, com o ganho extra de serem produzido próximo ao local de consumo. O processo tradicional de produção da Adidas envolvia diferentes fabricantes na Ásia e o produto demorava meses para estar pronto. Segundo análise da CBInsights, a estratégia de personalização têm colocado a Adidas mais um passo à frente da sua principal concorrente, a Nike.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

O que levou a Adidas a fabricar seus produtos na Ásia (assim como tantas outras indústrias) foi o preço da mão de obra, muito mais barata naquele continente. Porém, o desenvolvimento de máquinas automatizadas, como impressoras 3D, braços mecânicos e uma malha computadorizada bastante eficiente, permite à Adidas dispensar boa parte da mão de obra.

O AM4, modelo personalizado da Adidas, que tem chip capaz de capturar dados sobre o histórico de localização do usuário e conectar as informações com o app da marca (crédito: divulgação)

O novo processo de produção permite não só a personalização do produto, mas também a redução do tempo para que esse produto customizado esteja na mão do consumidor final. “A Adidas pode ajustar o calçado à personalização que o consumidor deseja ter. Esse é o objetivo: personalização completa, mas sem comprometer a velocidade”, afirmou Gil Steyaert, membro do conselho executivo da Adidas à CBInsights.

Apesar de descartar abandonar as fábricas na Ásia, a Adidas afirma que passará a produzir 1 milhão de calçados por ano em suas novas speedfactories até 2020. A Adidas também traçou como meta atingir 50% de suas vendas de produtos feitos por processo digitais até o final da década.

AM4, a linha de tênis customizados

A nova linha de tênis AM4 da Adidas foi criada para atender as necessidades dos adeptos da corrida de rua em diferentes cidades pelo mundo. O modelo AM4NYC, por exemplo, é projetado especificamente para as curvas fechadas de Nova York. O calçado foi criado depois de a empresa usar dados de ciência esportiva e receber feedbacks de atletas amadores da cidade.

A Adidas também projetou calçados para corredores em Londres, Paris, Los Angeles e Xangai baseada nas experiências de cada localidade. Isso tudo depois de apenas um ano de lançar a nova linha. A próxima metrópole a receber o AM4 será Tóquio.

Leia também: Como a Nike customiza seus modelos de tênis em menos de uma hora

O AM4 vem equipado de um chip que registra todos os passos do cliente. Tanto o proprietário do tênis quanto a marca têm acesso aos dados captados pela tecnologia do tênis. O consumidor pode sincronizar o calçado com o app da Adidas para armazenar suas informações e a marca pretende usar os dados para fazer melhorias no produto. É de se destacar ainda, a imensa capacidade que a Adidas terá de entender a rotina dos pedestres nas principais capitais.

Roupas sob medida, em larga escala

A Adidas estuda agora como oferecer um alfaiate a cada um de seus consumidores. A marca está encontrando maneiras de adaptar peças de roupa sob demanda para cada consumidor. Para essa nova empreitada, a Adidas conta com a startup Carbon, especializada em fabricação via impressoras 3D. A empresa de inovação ajudou a marca esportiva a desenvolver as palmilhas customizadas com impressão de carbono.

O desafio da marca esportiva tem sido produzir em larga escala as roupas produzidas sobre demanda, como a empresa já começou a fazer com seus calçados. É tudo uma questão de tempo.

Leia também: 3 Tendências para o varejo de moda continuar crescendo