Compras pelo celular no Brasil dobraram nos últimos três anos

A pesquisa Panorama – Comércio Móvel no Brasil traz ainda os cinco motivos que fizeram as compras via smartphone disparar entre 2015 e 2018

cred: Shutterstock

Entre setembro de 2015 e setembro de 2018, praticamente dobrou a proporção de internautas brasileiros com smartphones que já experimentaram comprar bens físicos através de apps ou sites móveis.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Os dados são da pesquisa Panorama – Comércio Móvel no Brasil, da Mobile Time com a Opinion Box, que entrevistou 2.069 brasileiros que acessam a Internet e possuem smartphone.

Há três anos, o número de usuários de mobile que haviam comprado pelo aparelho era de 41%, chegando a 80% em 2018. O avanço nesses três anos está diretamente relacionado à popularização dos smartphones no País, junto com a evolução dos apps de m-commerce, segundo o estudo.

Por conta disso tudo, 69% dos consumidores móveis afirmam que preferem comprar pelo smartphone do que pelo computador. Na edição anterior da pesquisa, em abril deste ano, eram 63%. A preferência pelo mobile, segundo o estudo, decorre, provavelmente, do menor acesso a computadores entre as classes C, D e E, que tem acesso facilitados aos celulares.

Outro indicador que também registrou avanço sensível foi a satisfação dos brasileiros em relação à experiência com m-commerce. Em seis meses, subiu de 83% para 88% a proporção que se declara satisfeita ou muito satisfeita com esses serviços.

Mulheres

As mulheres são hoje o maior público consumidor entre os que compram por smartphones. Quase três quartos das mulheres (73%) preferem comprar pelo celular. Resultado superior aos homens, que em 65% das vezes preferem comprar pelo smartphone em vez do computador.

No que abrange classes sociais, a preferência pela compra mobile está entre os consumidores das classes C, D e E. Entre esses, 73% preferem comprar pelo celular. Entre as classes A e B, a preferência por esse canal cai para 57%. Porém, em se tratando de consumação das compras, as classes com menor poder de compra são minoria no mobile: 78% experimentaram compras on-line. Enquanto 86% compraram pela internet entre os públicos A/B.