Amazon aumenta salário de todos os funcionários nos EUA após críticas

Liderado pelo senador Bernie Sanders, nos EUA, movimento contra o salário e as condições laborais na Amazon fez a maior varejista do mundo anunciar medida

Crédito: Divulgação

A Amazon anunciou nesta terça-feira o aumento do piso salarial de seus funcionários nos Estados Unidos. Os funcionários receberão por hora trabalhada US$ 15 a partir de novembro. Nos EUA, o salário mínimo é de US$ 7,25. A movimentação da Amazon vem após protestos e críticas de funcionários sobre as condições de trabalho propiciadas pela maior varejista do mundo.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

De acordo com a agência Reuters, mais de 250 mil funcionários e 100 mil trabalhadores temporários serão beneficiados.“Escutamos as críticas, pensamos muito sobre o que queremos fazer”, disse o presidente executivo da Amazon, Jeff Bezos em comunicado. “Estamos entusiasmados com essa mudança e incentivamos nossos concorrentes e outros grandes empregadores a se juntarem a nós”, concluiu o CEO.

A Amazon atualmente paga cerca de 11 dólares por hora aos seus funcionários. Estima-se que o aumento custaria à empresa um adicional de 1 bilhão de dólares por ano na folha de pagamento. No entanto, ainda segundo a Reuters, haveria a possibilidade de esse valor ser repassado ao consumidor assinante do Prime, serviço de entregas rápidas da Amazon.

Polêmica

O senador norte-americano Bernie Sanders, que chegou a disputar com Hillary Clinton as prévias das eleições presidenciais pelo Partido Democrata, foi um dos principais articuladores e ativistas contra as condições de trabalho nos centros de distribuição da Amazon.

No Twitter, Sanders se mostrou satisfeito com o aumento de salário dos funcionários da Amazon. “O que Bezos fez hoje não é só importante para os milhares de trabalhadores da Amazon,  mas pode ser também um primeiro passo em todo o mundo. Incentivo os líderes corporativos dos Estados Unidos a seguir o que Bezos fez”, disse o senador.