Gigante do e-commerce JD inaugura loja sem funcionários na China

Espaço conta com dispositivos inteligentes que mapeiam a movimentação dos clientes na loja e mostram as preferências dos consumidores da JD

Crédito: VCG via China Daily

A varejista chinesa JD acaba de inaugurar mais uma loja sem funcionários. A nova unidade fica em Chongqing, cidade do sudoeste da China. A área de 140 metros quadrados é equipada com tecnologias como reconhecimento facial, prateleiras inteligentes e identificação de frequência dos clientes. A inauguração faz parte da estratégia offline da JD.com, que tem o segundo e-commerce da China. A chinesa quer abrir 15 mil lojas físicas em 2018.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

O novo espaço permite que os consumidores façam compras com facilidade. Antes de entrar no estabelecimento, é necessário digitalizar um código QR e registrar uma conta na JD. O processo demora aproximadamente 30 segundos.

A loja conta com uma tecnologia que mapeia a movimentação dos clientes. Os dispositivos geram mapas de calor e relatórios que mostram o fluxo das pessoas dentro do espaço e até quais os produtos são os preferidos dos clientes. No portfólio estão alimentos, moda, vestuário e produtos de beleza.

Depois de mapear a preferência dos clientes da região durante a fase de testes, a JD decidiu vender produtos importados da Itália, Japão, Indonésia e Cingapura. Os testes mostraram que os moradores locais têm o costume de consumir itens produzidos em outros países, tendência que não acontece em outras cidades do interior da China, de acordo com o big data da empresa.

O novo espaço conta com o famoso apoio logístico da JD, conhecida por sua eficiência no e-commerce. Cerca de dez armazéns da marca dão suporte para a loja que não tem atendentes. A experiência em logística da JD fez um impulso significativo no desenvolvimento do setor de lojas offline como parte de sua visão de varejo sem fronteiras – a ideia de que os consumidores devem comprar o que quiserem, onde e quando quiserem – online ou offline.

Leia também:
Como a JD faz para atender a China rural e a tecnológica