Falta de produtos nos supermercados atinge 10,38% no 1º semestre

Embora ainda existam reflexos da greve dos caminhoneiros, levantamento indica leve melhora do setor supermercadista. Veja os números

Em movimento de reaquecimento do setor supermercadista, a falta de produtos no segmento atingiu a marca de 10,38% no primeiro semestre de 2018. Os dados foram apresentados em levantamento feito pela Neogrid e Nielsen. Os números são menores do que a média apresentada no mesmo período de 2017, quando a índice atingiu 11,9%.

Confira a nova edição da revista NOVAREJO com tudo que acontece no setor

Ainda como reflexo das paralisações dos caminhoneiros, alguns produtos apresentaram maior porcentagem no ranking fast movers (produtos de alto giro). Caso do leite longa vida, que lidera a lista com 18,1%. A listagem segue com frango in natura (12%), leite com sabor (11,9%), sorvetes (11,5%) e azeite (11,3%).

O fator atacarejo

Para o vice presidente de operações da Neogrid, Robson Munhoz, os números indicam uma retomada de aquecimento do setor de supermercados e a permanência do atacarejo no radar como alternativa pra economizar. “Apesar de ser um ano eleitoral, fatores econômicos mais positivos aumentam a confiança do consumidor. O brasileiro está voltando a comprar em diferentes canais. Ele ainda vai ao atacarejo, mas vemos um barulho muito forte nas lojas de proximidade”, diz.

Munhoz explica que, no retrato pós-crise, o consumidor tem voltado a flertar com marcas que deixou de consumir no ápice da depressão econômica, porém, não os encontra nas gôndolas. “O consumidor que comprava determinado produto parou de fazê-lo com a instabilidade econômica e o varejo, por consequência, não o repôs. Quando a economia dá uma aquecida, ele volta a procurar e não encontra. É uma gangorra”, complementa.

Futuro incerto

Embora o retrato do instante seja de ligeira melhora, a projeção para o final do ano ainda é nebulosa. De acordo com Munhoz, ainda é delicado realizar estimativas de ruptura para o último trimestre do ano. “É extremamente complicado fazermos projeções. Se o consumidor voltar a ter dúvida sobre os rumos da economia, é provável que ele migre para o atacarejo. Podemos, nesse cenário, ter um índice significativo, dependendo da categoria e do produto”, conclui.