Como a venda on-line de alimentos desafia as redes de supermercado

Redes de supermercado procuram maneiras de incentivar o consumo de itens perecíveis pela internet para aumentar a cauda de seu e-commerce. Saiba o que tem sido feito

Uma pesquisa da PwC, divulgada em abril deste ano, 60% dos consumidores brasileiros não fizeram nenhuma compra on-line de supermercado nos últimos 12 meses. Além disso, outros 37% fizeram “algumas compras” dessa ordem no período. Apenas 22% dos brasileiros fizeram compras de supermercado pela internet com uma frequência maior.

A baixa disseminação de produtos de consumo rápido na rede impacta diretamente as vendas on-line como um todo. O perfil de consumo na internet ainda é majoritariamente de itens duráveis, que têm giro lento. A média de compras na internet é de cinco por pessoa ao ano, segundo a Ebit. Sem o Mercado Livre, líder de mercado, as vendas caem para 2,7 por pessoa.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!  

Uma pesquisa da Zebra Technologies aponta que apenas 19 das 144 maiores redes de supermercados que operam no Brasil possuem uma operação de e-commerce. Ou seja, apenas 12% do setor tem uma operação on-line.

As redes de supermercado que atuam na internet têm apostado na entrega em um tempo cada vez mais curto para melhorar o desempenho de seu canal virtual. No exterior, a Amazon tem arrumado maneiras de entregar produtos em até duas horas por meio de seu sistema Prime. O Walmart usa sua infraestrutura com mais de 5 mil lojas físicas para atrair o cliente on-line para fazer a retirada dos produtos que comprou na internet diretamente na loja, sem pegar filas.

As grandes redes supermercadistas nacionais buscam maneiras de popularizar as vendas pela internet tentando apresentar ao consumidor a possibilidade de passar menos tempo na fila. O Carrefour, por exemplo, tem implementado sistema de pontos de retirada em 12 lojas da rede.

Outra maneira que o Carrefour tem encontrado para reduzir os atritos durante a jornada de compra do consumidor é a entrega por meio de um drive thru. O chamado “Retire de Carro” está em funcionamento na unidade de Pinheiros, zona sul de São Paulo. Com a nova opção, lançada em maio, o cliente poder realizar suas compras via site ou aplicativo e retirá-las de carro no estacionamento da loja. O programa ainda é piloto.

“As pessoas não têm o hábito de comprar alimentos on-line. Mas não sei dizer se falta serviço bom para motivar esse comportamento ou se o consumidor, aprendendo a consumidor dessa maneira, incentiva bons serviços. Mas, uma vez vencida essa barreira, não haverá mais volta”, disse Paulo Cardoso, CEO do Carrefour Soluções Financeiras à revista NOVAREJO.

Perfil de consumo

O relatório da Associação Paulista de Supermercados (APAS), “Tendências e Comportamento do Consumidor”, de maio deste ano, tenta responder ao questionamento de Paula. Segundo a associação, a baixa adesão está diretamente ligada a falta de oferta de serviços on-line no setor.

A pesquisa, feita em parceria com o Ibope, aponta que apenas 2% dos consumidores brasileiros compram alimentos via plataforma digital. A compra de supermercado pela internet é mais forte na classe AB, com 4%.

Leia também: 

O hipermercado perdeu valor para o consumidor?

Fábio Queiróz, presidente da ASSERJ, Associação de Supermercados do Estado do Rio de Janeiro, concorda e aponta que há demanda para serviços de comércio digital. “A gente tem muito a crescer e é desmistificando a tecnologia o menor caminho. O e-commerce precisa crescer, se aproximar mais do consumidor e dar mais opções”, diz o representante do setor supermercadista.

O Pão de Açúcar é uma das bandeiras com sistema de entregas para compras on-line mais desenvolvido do varejo nacional. Ainda assim, consegue oferecer entregas de alimentos em no máximo 24 horas, tentando baixar esse tempo para quatro horas, um desafio e tanto.

O e-commerce cresce no mundo por garantir comodidade e agilidade na venda, porém, quando o assunto é produto alimentar, a dificuldade fazer disso realidade é maior. Ainda segundo estudo da APAS, até mesmo a cultura de consultar preço na internet ainda é incipiente no País quando o assunto é compra de supermercado. A consulta por preços dentro do supermercado é feita por 58% dos entrevistados.

Entrega expressa

A pesquisa da APAS aponta ainda que, além da consulta a preços, os consumidores são levados às lojas por que, segundo a pesquisa, conseguem ter uma percepção maior sobre qualidade e variedade de produtos e marcas.

A startup Supermercado Now surgiu com a proposta de reduzir o tempo para que o consumidor receba seu alimento em casa e também garanta qualidade do produto. A startup reúne produtos de várias redes supermercadistas em seu aplicativo para que o consumidor consulte preços e faça pedidos on-line. Nos pedidos, o consumidor pode fazer especificações sobre o que pretende escolher, como, por exemplo, se quer frutas maduras ou verdes, por exemplo. O serviço de escolha dos produtos e transporte é feito por profissionais associados à plataforma da Supermercado Now, igual a Uber faz com seus motoristas.

A Supermercado Now espera fechar 2018 com parcerias firmadas com 11 redes supermercadistas e um faturamento de R$ 30 milhões. Em abril deste ano, a rede já operava em 28 lojas de nove redes. Nas redes em que atua, a startup afirma que conseguiu aumentar em quatro vezes o alcance do mercado off-line. “O faturamento das redes de supermercado com o Supermercado Now em algumas parcerias mais maduras chega a ser de 5 a 6% do faturamento total da loja”, afirma Marco Zolet, sócio fundador da Supermercado Now.

Leia também:

Compras no celular já representam metade do consumo on-line no Brasil

Zolet destaca que os serviços tradicionais de entrega dos supermercados garantem, em média, a entrega em dois dias, o que dificulta a aquisição de produtos frescos. Cruzando os números do aplicativo com as bases do CRM dos supermercados, a Supermercado Now constatou que, entre todos os clientes que usam o aplicativo, mais de 80% são clientes novos, muito por conta da possibilidade de fazer a compra do mês inteira pela internet e receber em casa.

“A nossa cesta é quase 30% de FLV (frutas, legumes e verduras) na média. Quase metade dessa cesta é de itens frescos, que inclui, além de FLV, carne, peixe, aves e frios. Isso é uma vantagem para o consumidor porque ele consegue fazer toda a compra dele efetivamente sem precisar ir ao supermercado”, afirma Zolet.

A possibilidade de vender mais produtos frescos pela internet teve, segundo o executivo da startup, impacto direto no faturamento das redes. Zolet afirma que o tíquete médio das compras via Supermercado Now é de 250 reais e, em alguns casos, chega a ser três vezes maior que o tíquete médio da loja fora do aplicativo.

Leia também: 

Como St. Marche e Hortifruti resistem à onda de preços achatados