Empresas discutem a importância do varejo de proximidade

Ser um varejista pequeno e cravado no coração de um bairro mais afastado do centro da cidade tem suas vantagens. É justamente por estar perto do consumidor que a empresa dialoga com ele sobre necessidades e sugestões e, por fim, oferece realmente customizado – ou algo bem próximo disso. Em linhas gerais, esse tipo de […]

Pexels

Ser um varejista pequeno e cravado no coração de um bairro mais afastado do centro da cidade tem suas vantagens. É justamente por estar perto do consumidor que a empresa dialoga com ele sobre necessidades e sugestões e, por fim, oferece realmente customizado – ou algo bem próximo disso.

Em linhas gerais, esse tipo de atendimento próximo, por vezes intimista, foi o ponto central do painel “Varejo de Proximidade: resultados de longo prazo?”, no BR Week deste ano.

O mediador do painel Ricardo Pastore, coordenador acadêmico do Núcleo de Varejo da ESPM. Ele questionou um dos convidados, Mário Carneiro, diretor de marketing da Casa do Pão de Queijo, sobre o relacionamento da empresa nos bairros – justamente um dos locais de atuação da rede. “Estamos indo bem e isso tem a ver com a proposta de varejo de proximidade, algo mais próximo do cliente. O principal êxito do nosso modelos de varejo de proximidade é ser uma rede grande e, ao mesmo tempo, pequeno”, disse Carneiro, que é bisneto da senhora reproduzida no logo da marca.

McDonald’s intimista?

O McDonald’s busca exatamente ser esse varejo defendido por Carneiro. Ao longo da décadas, a empresa se acostumou a ter um comportamento praticamente único de atendimento e priorizou a velocidade. Isso está mudando. “Estamos retomando o modelo de franquia, algo que abandonamos no passado. Hoje o consumidor está preocupado com atendimento mais rápido, mas não tão mais rápido que fazíamos no passado. Entendemos que só velocidade não adianta. O cliente precisa estar no comando e isso leva um pouco mais de tempo”, disse Alessandro Parada Thiry, diretor de desenvolvimento do McDonald’s.

Fidelização

Uma estratégia de negócios que tem aproximado grandes redes de varejo dos seus cliente é o programa de fidelização, que oferecem descontos ou vantagens na hora de comprar outros produtos ou contratar serviços.

Moreira Neto, fundador da Ekko (plataforma de fidelização de cliente)  afirma os pequenos varejistas precisam desse tipo de fidelização. “Faltam programa de fidelização para o cliente para o médio e pequeno varejista. Por isso criamos a plataforma Ekko”, disse Neto.