Copa do Mundo vai estimular compra para metade dos brasileiros

Segundo o Google, na Copa de 2018, em torno de 50% dos brasileiros tendem a comprar algum item relacionado ao evento. A expectativa o número concretizado de 2014

Crédito: Shutterstock

Segundo o Google, em 2014, foram realizadas 2 bilhões de buscas relacionadas à Copa do Mundo durante o evento. Esse número bateu 280% em relação a maio. Os consumidores não só pesquisaram mais sobre o assunto, mas também realizaram mais compras. Em 2014, segundo a Ebit, o E-commerce registrou um crescimento de 24% na sua receita.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Após 4 anos, a expectativa é ainda maior para 2018 tanto para os empresários quanto para os consumidores. Segundo dados do Google, em torno da metade dos brasileiros desejam comprar itens relacionados à Copa para assistir os jogos.

O mercado já está se preparando para esse acontecimento. Segundo o SPC Brasil e CNDL, 33% dos micro e pequenos empresários dos ramos do comércio e serviços estimam que as vendas dos setores aumentem no período dos jogos em 2018. Entre os que projetam crescimento nas vendas da própria empresa (20%), a estimativa é de que o volume médio de vendas seja 27% superior ao mês anterior do mundial. Ainda, segundo a Fecomércio, os empresários esperam crescimento de 12% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Tendências

Segundo Albert Deweik, CEO da NeoAssist, empresa especializada em tecnologia para atendimento ao cliente e que lançou o estudo “O efeito da Copa do Mundo”, a Copa é um evento que pede um estudo por parte dos empresários para que aproveitem da melhor forma as datas. “O primeiro passo é analisar as tendências dos anos anteriores, comportamento de compra, itens mais procurados, revisar a logística e preparar a central de atendimento pré, durante e após o evento. Em 2014, relatamos um aumento de 15% na demanda de atendimento. A experiência precisa ser perfeita em todos os aspectos.”

Leia também: 

Consumo das famílias cresce acima do PIB no 1º trimestre