Consumo relacionado à Copa do Mundo deve cair pela metade

Comparação da Copa do Mundo de 2014 com a de 2018 aponta queda na intenção de compra. Pesquisa da CNC mostra ainda perspectiva para o setor de bares e restaurantes

Crédito: Shutterstock

Quase um quarto das famílias brasileiras (24%) tem a intenção de consumir itens relacionados à Copa do Mundo deste ano. É o que revela estudo da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Esse percentual representa uma queda brusca em relação ao Mundial de 2014, quando 50,1% dos brasileiros disseram que pretendiam consumir produtos relacionados à Copa.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

A perspectiva é de que alimentos e bebidas sejam os produtos mais procurados, com 9,9%. Vestuários masculino, feminino e infantil vêm em segundo lugar, com 7,5%. Aparelhos televisores ocupam a terceira posição entre os itens mais procurados, com 4,3%.

Queda na intenção de compra

Entre os itens mais procurados segundo a pesquisa de intenção de consumo, há queda em todas as categorias em relação a 2014, quando a Copa foi no Brasil. A queda foi de 21,5% em relação a alimentos e bebidas, 14,3% em vestuários e 13,3% em televisões.

Consumo em casa

Independentemente da faixa de renda, o domicílio deve ser o local predominante para o consumo de alimentos e bebidas. Apenas 18,8% dos brasileiros pretendem visitar bares e restaurantes durante os jogos. Outros 53,2% pretendem beber e comer em casa. Cerca de 28% dizem que não haverá diferença significativa quanto ao local de consumo de bebidas e comidas.

Gasto médio

A maioria dos brasileiros (51,6%) que relataram intenção de consumir produtos relacionados à Copa pretendem gastar pelo menos R$ 200. Outros 39,2% pretendem gastar R$ 300. Cerca de 16% pretendem gastar acima de R$ 300. Esta faixa de consumo representa 50,6% do total de gastos estimados relacionados ao torneio.

Estados em destaque

Entre as capitais que se destacam pelo alto índice de intenção de consumo, São Luís do Maranhão está na ponta em relação a alimentos e bebidas. Pouco mais de 30% das famílias relataram intenção de consumir itens relacionados à Copa.

Boa Vista, capital de Roraima, registrou a maior intenção de compra de vestuário, com 23,3%. Manaus, no Amazonas, destaca-se pela intenção de consumo de televisores, com 12,6%.

Leia também: 

7 Questões delicadas sobre dispensa de funcionários em jogos da Copa