Briga de preços entre Sam’s Club e Walmart causa fúria nos EUA

Clientes assinantes do Sam’s Club estão reclamando de preços avantajados em comparação a itens idênticos vendidos no Walmart. Entenda a polêmica

Créd: Shutterstock

Um impasse na precificação de produtos entre lojas do Walmart e do Sam’s Club, clube de assinatura da gigante varejista norte-americana, vêm causando fúria e desconforto a alguns clientes nos Estados Unidos. Um mesmo item disposto em ambas os modelos de supermercado podem ter preços difusos de até US$ 100 de diferença, de acordo com relatos de consumidores.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

O cliente John Davidowsky, segundo o portal Business Insider, comprou uma televisão de US$ 689 em uma loja do Sam’s Club em Scranton, no estado da Pensilvânia, no começo de maio. No dia seguinte, ele, que é membro e assinante do Sam’s Club, viu a mesma TV anunciada no Walmart, por US$ 579.

De acordo com o relato de Davidowsky à publicação, o Sam’s Club se recusou a igualar o preço do Walmart. “Eu pago por uma assinatura e é assim que você trata os membros?” disse, referindo-se aos US $ 100 em taxas anuais que ele paga para acessar os preços mais baixos do clube de assinaturas. “Eu não renovarei minha assinatura premium”, concluiu o consumidor ao Business Insider.

Em um post de reclamação de um cliente no Facebook, citando caso similar ao de John Davidowsky, o Sam’s Club deixou claro que não iguala de maneira alguma os preços com o Walmart mesmo para os membros assinantes. Infelizmente, a nossa política é de não precificar itens em correspondência a nenhum concorrente, incluindo o Walmart”, disse a empresa na ocasião.

“Eu fico cada vez mais furioso toda vez que acontece”, disse outro cliente, membro do Sam’s Club há mais de 20 anos, ao Business Insider. “Eu pago US$ 100 por ano por uma associação apenas para descobrir que estou sendo cobrando a mais do que o Walmart?”, questionou o cliente sobre quais seriam os benefícios de ser assinante de um diante desta situação.

Leia também:
Walmart pode vender 80% de sua operação no Brasil

Resposta do Sam’s Club

A porta-voz do Sam’s Club, Carrie McKnight, disse ao Business Insider que essa política de correspondência de preços precisava de maior “esclarecimento”. “Quando nossos membros nos dizem que estão infelizes, nosso trabalho é cuidar deles. Todos concordamos que precisamos de clareza sobre esse assunto”, disse a executiva.

Ela ainda disse que o Sam’s Club não tem uma política específica que imponha a correspondência de preços, mas que permite que os gerentes de lojas usem seu melhor julgamento ao fornecer reembolsos ou correspondência de preços em certos itens. Para ela, itens idênticos ao Walmart devem ter seus preços igualados no Sam’s Club.  “Poderíamos fazer um trabalho melhor explicando isso aos nossos associados”, disse ela.

Se for negado aos clientes a correspondência de preços em itens idênticos pelo clube local, eles devem entrar em contato com o serviço ao cliente ou entrar em contato com o Sam’s Club nas redes sociais para resolver o problema, disse ela.

Leia também:
Sam’s Club lança aplicativo que agiliza compras no caixa