Dívidas dos consumidores brasileiros somam quase R$ 272 bilhões

Segundo dados da Serasa Experian, inadimplência dos consumidores registrou patamar histórico no último mês. Entenda os motivos

Consumidores voltam a ficar endividados em abril (cred: Shutterstock)

O número de consumidores inadimplentes atingiu um novo recorde em abril. Segundo dados da Serasa Experian, 61,2 milhões de consumidores estavam inadimplentes no mês passado. Ao todo, esses consumidores somavam uma dívida de R$ 271,7 bilhões.

Além do número maior da série histórica, em relação a abril de 2017, houve um crescimento de 1,9% no número de inadimplentes. Já na relação com março, o aumento foi de 0,4%.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Segundo os economistas da Serasa, foram dois os principais motivos da inadimplência: as contas de início de ano, (como IPVA, IPTU, material escolar, férias) que pesaram no bolso dos consumidores; e o desemprego, que voltou a crescer no primeiro trimestre deste ano.

Em média, cada consumidor tem quatro dívidas, que somam R$ 4.438 por pessoa.

Quem tem dívidas?

Segundo a pesquisa, a maior concentração dos negativados está no gênero masculino, que representa 50,8% dos inadimplentes.

A maioria das pessoas com débitos vencidos tem entre 41 e 50 anos (19,7% do total). Em segundo lugar no ranking de participação entre os inadimplentes estão os jovens de 18 a 25 anos, que respondem por 14,2% do total.

Por região, o Sudeste é onde se concentra o maior porcentual de pessoas com dívidas atrasadas, com participação de 45,1%. Em seguida aparecem Nordeste, com 25,2%, Sul, 12,7%, Norte, 8,9% e Centro-Oeste, 8,1%.

Leia também
Inadimplência cresce e atinge 61 milhões de brasileiros em fevereiro

Os vilões das dívidas

As dívidas com bancos e cartões de crédito foram as principais vilãs do endividamento dos brasileiros e representaram, em abril, 28,6% do total.

Já os débitos com água, luz e gás aparecem em segundo lugar, com 19,2% do total das dívidas. Na sequência aparecem Varejo, com 12,6%; Telefonia, com 11,5%; Serviços, com 10,9%; Financeira/Leasing, com 10% e Outros, com 7,3%.

Leia também 
70% dos brasileiros atrasaram dívidas em 2017