Descontos têm levado a Gap a acumular resultados negativos

A marca americana Gap apresentou resultados negativos no primeiro trimestre deste ano e especialistas colocam a culpa nas promoções. A Gap tem uma justificativa. Saiba qual é

Crédito: Shutterstock

A Gap Inc. divulgou os resultados nesta semana para o primeiro trimestre deste ano e os resultados foram ruins. As vendas nas lojas da marca homônima caíram 4%. Segundo o portal Business Insider, os descontos robustos que a marca está oferecendo ​​pesaram sobre as margens de lucro.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

A resposta da empresa foi que os descontos eram necessários para zerar estoque na mudança de estação. Porém, o portal afirma que mesmo as coleções de verão na América do Norte estão com descontos. A média de descontos da Gap tem sido de 40% e as promoções chegam a 70%. A marca havia divulgado aumento substancial de vendas e lucros em algumas das lojas da rede recentemente, mas que não se seguiu de um resultado positivo para o todo da operação.

Enquanto a tendência do varejo mostra para uma redução nas estratégias relacionadas a promoções, a Gap continua a usar desse expediente. A empresa do sistema financeiro Morgan Stanley, que realiza pesquisas de acompanhamento das promoções no mercado americano, apontou que o nível de promoções da Gap atingiu, em fevereiro e março deste ano, seu mais alto patamar dos últimos sete anos. Em abril, porém, houve redução.

Calibragem dos estoques

A direção da Gap aponta, no entanto, que a marca passa por uma transição relevante em seus processos que reduziram o tempo que compreende o desenho das roupas até chegar às lojas. Esse ínterim caiu de 10 meses para 10 semanas.

Ao acelerar a cadeia de suprimentos, a Gap espera reagir mais rapidamente às tendências em constante mudança. Para isso, precisa calibrar seus estoques, algo que ainda não aconteceu.

Problemas para a marca

A estratégia de remarcação de preços não é exclusividade da Gap. Segundo o estudo da Morgan Stanley, a American Eagle e a Abercrombie também veem como interessante as derrubadas de preço.

Por outro lado Michael Kors, Coach e Ralph Lauren têm procurado reduzir suas remarcações de preço porque acreditam que são prejudiciais para a credibilidade da marca entre os consumidores.

Leia também:

3 Tendências para o varejo de moda continuar crescendo