Compras no celular já representam metade do consumo on-line no Brasil

Pesquisa aponta ainda que aplicativos convertem mais, apesar de serem os menos acessados, e que o consumidor omnichannel, que ainda é minoria, é o que gasta mais. Confira os números

Crédito: Shutterstock

As transações feitas em dispositivos móveis já correspondem a 50% de todas as vendas on-line no Brasil. Os números são da pesquisa “Análise do E-commerce no Mundo”, da Criteo, e se refere ao primeiro trimestre de 2018. Cinco mil varejistas de 80 países participaram da pesquisa.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

O estudo ressalta a participação dos aplicativos no aumento de vendas via smartphones. O relatório da Criteo aponta que a capacidade dos aplicativos de converter visitas em vendas é três vezes maior que dos sites acessados via smartphones.

Compras on-line em supermercados representam apenas 2% no Brasil

Globalmente, as compras via aplicativo cresceram 22% no primeiro trimestre de 2018 na comparação com o mesmo período do ano passado. Os 50% das transações on-line realizadas pelo celular são dividias em web mobile (35%) e aplicativos (15%).

“Para os varejistas com lojas físicas, a adoção de aplicativos e a melhoria da infraestrutura de dados estão abrindo novos horizontes no marketing omnichannel, com a combinação entre online e off-line em uma jornada de compras ininterrupta e mensurável”, afirma Alessander Firmino, diretor geral da Criteo para o Brasil e América Latina.

Omniconsumidores gastam mais

O relatório da Criteo aponta ainda que a combinação de dados on-line e off-line é fundamental para compreender a intenção e o poder de compra do cliente, especialmente porque os consumidores omnichannel geram vendas de maior valor.

Apesar de representar apenas 7% do total de consumidores, os omniconsumidores (aqueles que usam mais de um canal na experiência de compra) respondem por 27% do total de vendas no mundo.

Aumento de conversões no on-line

As transações concluídas via smartphone registraram aumento de 48% em relação ao primeiro trimestre de 2017, enquanto vendas por tablets e desktops tiveram queda de 24% e 15%, respectivamente.

O relatório aponta que os aparelhos mobile são mais usados para compra durante a noite e aos finais de semana. O desktop continua sendo o ambiente de compras preferido durante o horário comercial.

Aqueles varejistas que combinam informações on-line e off-line conseguem ter quatro vezes mais informações de seus clientes para abastecer suas campanhas de marketing, segundo a pesquisa.

Como a Havan cresceu 350% dentro do seu e-commerce em 2 anos