Netshoes denuncia ‘fretes abusivos’ e adere à campanha contra os Correios

Protesto contra o aumento nos fretes praticados pelo serviço público de entregas começou com o Mercado Livre e teve apoio das redes sociais

Crédito: Divulgação/Netshoes

A Netshoes aderiu à campanha junto ao Mercado Livre contra os Correios. As duas empresas se uniram nas redes sociais em um manifesto para protestar e denunciar “fretes abusivos” do serviço estatal de entregas. Segundo as companhias, as taxas de entrega podem chegar a um aumento de até 51% nas vendas online, a partir do próximo dia 6 de março.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

“Esta é uma medida incabível quando falamos do desenvolvimento do e-commerce brasileiro. Além do impacto direto no bolso do consumidor, é uma decisão antidemocrática. Limita consideravelmente o acesso de regiões mais periféricas do país. O custo maior será para os clientes em regiões mais distantes da capital”, afirma Graciela Kumruian, COO da Netshoes.

Segundo o Mercado Livre, este aumento dos valores de frete atinge tanto o vendedor quanto o comprador. “Além de ser abusivo quando comparado com o índice de inflação, que fechou em 3%, não é justo que milhares de vendedores paguem pela ineficiência dos Correios”, destaca Diretor de Envios para a América Latina, Leandro Soares.

Redes sociais reagem ao protesto contra os fretes

A adesão da Netshoes à campanha em conjunto com o Mercado Livre provocou interação entre as marcas nas redes sociais e grande engajamento dos seguidores das duas empresas.

Nesta última quarta-feira, após a Netshoes divulgar pelas suas redes sociais a participação no movimento, o COO do Mercado Livre, Stelleo Tolda, publicou uma mensagem no Twitter reforçando a causa. “Vamos continuar a expressar nossa indignação contra serviços ruins e cada vez mais caros”, comentou Tolda.