Cresce participação da baixa renda na Black Friday

Dados do comércio eletrônico apontam que a Black Friday deste ano registrou queda no tíquete médio e crescimento no número de pessoas participando da data

Crédito: Shutterstock

Os consumidores com menor renda estão participando mais da Black Friday via comércio eletrônico. Consequência disso é que, na última Black Friday, o número de pessoas fazendo compras aumentou enquanto o tíquete médio diminuiu em relação ao ano passado.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

O número de pedidos gerados na data foi de 3,76 milhões, 14% a mais que os 3,30 milhões registrados na mesma data em 2016. Por outro lado, o valor médio gasto baixou 3,1% neste ano. Enquanto o tíquete médio em 2016 foi de R$ 580, em 2017 o número foi de R$ 562. Ou seja, a participação de quem gasta menos cresceu no total de vendas realizadas.

Além da questão de democratização do consumo on-line na data, há também a constatação da redução de preços. “Lojistas de todos os segmentos ofereceram produtos com descontos reais e isso atraiu o consumidor”, destaca Pedro Guasti, CEO da Ebit, empresa de inteligência de mercado focada no ambiente virtual, que realizou a pesquisa. 

A febre se instala pelo celular

As compras estão migrando, ano após ano, do computador de mesa e dos notebooks para os smartphones. O crescimento no número de pedidos realizados por celular foi de 81,8%. Com isso, as vendas mobile de produtos promocionais na Black Friday deste ano alcançou 30% do total registrado pelas lojas on-line.

O aumento da participação de classes menos abastadas economicamente na Black Friday também fica evidente no aumento de compras por celular. O valor médio de compras m-commerce (mobile commerce) foi de R$ 515, abaixo da média total.