Chilli Beans vai estrear nas telas de cinema

Fundada por Caito Maia, a Chilli Beans virará um filme. A NV conversou com o empresário para saber dos seus planos, que também inclui uma série na Netflix

Douglas Luccena

O empresário Caito Maia quer ser uma estrela de cinema. Quer dizer, quase. O empresário está em negociação com uma produtora para contar a história de sua empresa, a Chilli Beans, nas telonas. Como o contrato ainda não está fechado, ainda não é possível cravar uma data de estreia, mas a vontade é que a ideia saia do papel o quanto antes.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

A intenção de Maia, segundo ele mesmo, é inspirar as pessoas. O empresário, que começou importando óculos dos Estados Unidos quando ainda era vocalista da banda “Las Ticas Tienen Fuego”, construiu um império com um faturamento na casa dos R$ 600 milhões anuais e mais de 800 pontos de venda. Ele, aliás, não quer parar com o filme: também negocia uma série na Netflix sobre o dia a dia da Chilli Beans.

Confira, a seguir, a sua entrevista

NV – Qual é a sua intenção com esse filme?

Caito Maia – Contar a minha história de empreendedor e das pessoas da empresa. Queremos inspirar novas pessoas a empreender. Existe uma grande carência no mercado de saber de onde a Chilli Beans veio. Depois que comecei no Shark Tank (reality show sobre empreendedorismo), está saindo muito que sou um empresário próximo das pessoas, que sou um novo modelo de CEO. Mas a diferença é que sou um empresário que fala com a galera. Só isso.

NV – Tem sentido uma abordagem diferente após a sua participação na televisão?

Caito Maia – Eu percebo que outros empresários e executivos me veem sendo mais simples e se inspiram, o que eu acho muito legal. Então, a ideia será contar a história da marca e envolvendo todas as pessoas que fizeram parte dela. Queremos mostrar a história de um brasileiro que conseguiu fazer uma empresa do nada. Ou seja, dar o exemplo de que todos podem fazer.

NV – Você quer passar essa história de um líder próximo aos funcionários?

Caito Maia – Não é uma questão de querer passar uma imagem. A minha intenção é de mostrar que o que faço é algo verdadeiro. É uma consequência do comportamento, mas não é uma estratégia minha de mostrar que sou um chefe legal. As pessoas vão tirar as suas próprias conclusões. A única estratégia, se podemos assim dizer, é de mostrar uma história de empreendedorismo.

NV – E você está pensando algo além do filme?

Caito Maia – Estamos negociando uma série com a Netflix, mas que seria mais focada no dia a dia da empresa. Então, teríamos uma história baseada em fatos reais e com uma licença poética, que seria o filme, e um documentário sobre a marca.

NV – Como você acredita que isso vai ser visto pelos seus pares? Pensa que pode ser visto como algo de alguém que queira os holofotes?

Caito Maia – O que você acha disso? Eu não consigo enxergar um filme como esse sendo visto com esse intuito. Mesmo assim, não me preocupo com as críticas. Quero mesmo é inspirar as pessoas. Quero que os brasileiros olhem uma história interessante e que possam repetir o fato. Agora, não me preocupo em nada se as pessoas não vão gostar. Sempre vai ter alguém falando mal.

NV – Já escolheu o ator que vai te representar? Tem alguma preferência?

Caito Maia – Isso vou deixar com os roteiristas.