Black fraude? Teve sim! Confira a lista das lojas com irregularidades

O termo estava ficando para trás, mas ainda não foi apagado. Procon-SP realizou fiscalização e encontrou irregularidades em 89 estabelecimentos

cred: Shutterstock

Parece que foi ontem quando a Black Friday foi importada dos Estados Unidos e virou “chacota” entre os consumidores brasileiros. É que muita gente notou rapidinho que os preços praticados pelo e-commerce brasileiro não eram assim tão atrativos. E as piadas e memes (“desconto de 50% no dobro do preço”) não pararam de aparecer.

O varejo físico aderiu à data em pouco tempo, ocupou seu espaço, mas também foi alvo dos consumidores que não conseguiram enxergar valor na data. O termo “Black Fraude” estava, então, consolidado.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Desde o ano passado, porém, o varejo eletrônico e o físico até que conseguiram fazer o consumidor esquecer esse termo, mas não foi o que aconteceu neste ano. O Procon-SP, órgão vinculado à Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, visitou, nos dias 23 e 24 de novembro, 171 estabelecimentos que participaram da Black Friday. Foram encontradas irregularidades em 89 locais.

Na capital, das 23 lojas físicas fiscalizadas, 18 foram autuadas. Confira abaixo a relação dos estabelecimentos com irregularidades que foram autuados em São Paulo.