Ele chegou! Amazon inicia operação de marketplace de eletrônicos no Brasil

Em entrevista exclusiva, o diretor-geral da empresa no Brasil contou a novidade e explicou porque a expansão da empresa parece tão lenta por aqui. Entenda

Crédito: Shutterstock

A Amazon finalmente anunciou o seu primeiro passo no Brasil fora do mercado de livros: a partir de hoje, 18 de outubro, o marketplace de eletrônicos entra em funcionamento para todo o Brasil. Segundo a empresa, mais de 110 mil produtos estão disponíveis, em mais de 30 categorias diferentes, como smartphones, videogames, TVs.

O número pode até parecer baixo perto dos 4 milhões de itens ofertados pela B2W (detentora do Submarino e da Americanas.com), mas é válido lembrar que, quando chegou ao Brasil com a venda de livros, o número de itens também beirava os 100 mil e hoje são mais de 13 milhões.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Há quem diga que a companhia está em expansão lenta no mercado nacional. Em entrevista concedida à NOVAREJO na sede da empresa em São Paulo, Alexandre Szapiro, diretor-geral da Amazon Brasil, contou que o passo foi bastante planejado. “Nós só lançamos alguma coisa quando sentimos que estamos prontos para isso. Não temos essa questão de pressa, de ter que sair rápido e lançar”, garantiu.

Nos últimos meses, o grande esforço girou em torno de ofertar a maior gama de produtos possível – e captar os mais diversos vendedores. Para este início, marcas como Samsung, LG, Motorola e Sony já fazem parte do catálogo.

Benefícios

O executivo afirma que é uma grande preocupação da companhia ofertar não só a melhor opção para os consumidores, mas também para os vendedores, os chamados Sellers. “Queremos dar o melhor dos nossos 20 anos de experiência em desenvolvimento de tecnologia para esses vendedores poderem vender mais”, disse. “Em 2016, 100 mil vendedores de todo o mundo atingiram um patamar de vendas acima de US$ 100 mil por meio da Amazon. Queremos trazer esse sucesso para o Brasil”.

Os vendedores cadastrados no marketplace da empresa terão acesso a algumas ferramentas. Szapiro destacou o sistema de preços dinâmicos, pelo qual o vendedor pode controlar os preços de cada produto por hora e dia, além do mecanismo que permite configurar o envio por região, que possibilita a configuração de até 52 fretes diferentes dependendo da localização do empreendedor.

A taxa de cobrança do uso também é simples. Para um vendedor individual, existe uma taxa de 2% para cada venda. Para varejistas maiores, que acessa mais serviços (como o preço dinâmico), o pagamento mensal é de R$ 19,90 e 10% em cima do volume total de vendas. Para o início das atividades, a empresa disponibilizou um desconto de 10%.

Visão de mercado

Quando questionado sobre os diferenciais da Amazon frente aos seus concorrentes brasileiros, Szapiro explicou que a companhia até observa o mercado, mas não se preocupa com isso. “Gastamos pouca energia com nossos concorrentes. A nossa obsessão é melhorar nosso próprio sistema, a seleção de produtos, o oferecimento de um número cada vez maior de vendedores”, resumiu.

“Tecnologicamente falando, poderíamos ter lançado o marketplace de eletrônicos junto ao de livros, em abril. Mas trabalhamos excessivamente para garantir uma melhor oferta de produtos. Chamamos todo dia de Day One, nunca estamos satisfeitos, queremos sempre trazer coisas novas”, constatou.

A Amazon chegou ao Brasil com a oferta de livros digitais em 2012. Depois disso, passaram a comercializar o Kindle, entraram no mercado de livros físicos em 2014, além da plataforma de serviço de assinatura de livros.