8 Segredos da cultura inovadora da Netflix, segundo a própria empresa

Martin Spier, da Netflix, contou os fatores que levam a empresa a ser uma das mais inovadoras do mundo. Você não vai acreditar no que a empresa faz!

Você não vai acreditar nos drivers da cultura da Netflix (cred: Shutterstock)

Ele tem cara de gringo, nome de gringo, trabalha em uma empresa global, mas é brasileiro. Martin Spier é engenheiro de performance da Netflix. Em outras palavras, ele é um dos profissionais responsáveis pela velocidade com que entramos e assistimos ao conteúdo da maior plataforma de streaming do mundo. Basicamente, quando aquelas bolinhas aparecem rodando no meio da tela por muito tempo ou quando vemos a mensagem de que alguma coisa deu errado, ele é um dos culpados.

Spier esteve no RD Summit, evento de Marketing Digital e Vendas, que aconteceu na última semana em Florianópolis, e contou alguns fatores e segredos que tornam a Netflix uma das companhias mais inovadoras do mundo. E todos esses fatores passam por um grande driver: cultura.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

A companhia, que tem hoje 109 milhões de assinantes em 190 países, começou em 1997, postando DVDs pelo correio. A assinatura veio em 1999 e somente em 2007 a companhia iniciou seu serviço de streaming. A agilidade é, portando, uma das bases da cultura da companhia, segundo Spier.

“Essa cultura da empresa passa invariavelmente pelas pessoas. Sabemos que quando as empresas crescem, elas ficam mais complexas e em muitas empresas os talentos não acompanham esse crescimento. Resultado: tudo vira um caos. O que fazemos é justamente evitar o caos”, disse o executivo. Mas ele pondera: “sabemos que é uma cultura que não é para todo mundo. É uma cultura bottom-up e isso aumenta o nosso ritmo de inovação”, afirmou.

Veja o que a empresa faz para garantir processos de inovação consistentes:

1. Tomada de decisão

Na empresa, todos os funcionários têm liberdade para decidir qualquer coisa. “Você só vai consultar o gerente em caso de dúvidas”, contou Spier. Isso facilita a agilidade da empresa, mesmo com o tamanho que ela tem. “Sabemos que mudanças é a única certeza que temos. E fica difícil uma empresa com muitas amarras mudar”, disse. “Um dos segredos para evitar o caos é a liberdade”, completou.

2. Informação compartilhada

Todos, simplesmente todos os funcionários da companhia têm acesso a tudo na empresa – de informações macro até mesmo informações mais sensíveis de estratégia. “Evidentemente que a gente assina termos de confidencialidade, mas saber de tudo o que acontece na empresa coloca todos na mesma página e conseguimos criar o que é preciso para melhorar a experiência do cliente. Acesso às informações agiliza e facilita tomada de decisão”, contou.

3. Pessoas eficazes

Na Netflix uma regra é clara: pessoas com performance adequada recebem um ótimo pacote de benefícios para irem embora. “A ideia é dar espaço para pessoas excelentes. Pessoas altamente eficazes é que ficam”, disse. Ali, os gestores são estimulados a se perguntar se eles realmente lutariam por determinada pessoa. “A empresa contrata os melhores e monta um dream team”, disse.

4. A única regra é da autonomia

A companhia prima pela ausência de regras e burocracias e pela autonomia e autorresponsabilidade. “Na empresa não existe espaço para burocracias e processos que não agregam valor”, afirmou. Um exemplo: relatórios de despesas e reembolsos não precisam ser assinados por gestores. Se um funcionário precisar de um lap top novo, ele vai até a área e pega. Se tiver uma ideia que melhore a experiência do usuário, ele simplesmente faz e testa. A maioria das empresas simplesmente não confia nos funcionários que contrata. Isso não existe na Netflix. “Confiamos na capacidade de decisão das pessoas. Queremos grandes tomadores de decisão”, disse.

5. Onde o erro tem vez

A companhia não pune erros. Ao contrário: ela estimula testes e erros acontecem no meio do caminho. E tudo bem. O que vale são os resultados finais. A Netflix tem plena consciência de que processos de inovação não acontecem sem falhas no meio do caminho.

6. Você é o resultado que traz

Sabe aquelas estruturas verticais, com brigas por pequenos poderes e áreas? Na Netflix isso não existe. Lá, ninguém liga para cargos. “É sobre entrega. Você é conhecido pelo o que entrega. Todos têm um título similar”, considerou.

7. Salário importa sim!

Ao contrário do que muitas empresas pensam, salário importa sim – ainda mais para Millennials. E se a companhia quer os melhores profissionais, ela sabe que terá de desembolsar para isso. “Pagamos o topo do mercado pessoal desse profissional. Somos incentivados a fazer entrevistas para verificarmos o nosso valor de mercado e levar isso para negociação”, afirmou. Aumentos salariais são mais importantes que cargos. “Os aumentos salariais estão ligados aos novos skills que você adquire ao longo do tempo”, contou.

8. O tempo é seu, o que importa é o resultado

“Ao invés do gerente me dizer o que tenho de fazer, ele me pergunta o que eu gostaria de fazer e isso muda tudo”, disse Spier. Na Netflix, o resultado importa e, por isso, cada profissional é gestor do próprio tempo. Um exemplo: folgas e férias não são determinadas por ninguém. Os profissionais estabelecem quando vão tirar seu tempo livre e por quanto tempo. Ano passado, Spier tirou dois meses de férias para viajar e não precisou de aprovação de ninguém. “Você simplesmente sabe o que precisa entregar e entrega”, disse. “A Netflix contrata pessoas responsáveis. Contrata adultos”, ponderou.