Pesquisa revela dois caminhos para o e-commerce crescer mais

Pesquisa da DHL mostra que o e-commerce global vai crescer 25% ao ano até 2020. Mas é possível elevar esse número. Veja como

cred: Shutterstock

O e-commerce internacional deve crescer 25% por ano, entre 2015 e 2020, segundo dados da DHL Express – um crescimento que movimenta USD 900 bilhões. Esse crescimento representa duas vezes o ritmo do crescimento do comércio eletrônico doméstico.

Como crescer ainda mais? “‘Tornar-se global’ e ‘Tornar-se premium’ é uma oportunidade para os varejistas de todos os segmentos”, disse em nota Ken Allen, diretor-geral da DHL Express.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Segundo estudo, ampliar a oferta a clientes internacionais pode impulsionar as vendas em 10 a 15%, em média. Além disso, oferecer serviços premium também. Os varejistas e fabricantes que incorporaram uma opção de envio mais rápido nas suas lojas online cresceram em média 1,6 vezes mais rápido do que outros players.

“Reconhecemos que, virtualmente, todas as categorias de produto têm potencial para fazer o upgrade para premium, desenvolvendo edições de luxo de qualidade superior e oferecendo níveis superiores de qualidade de serviço para satisfazer a procura de clientes menos sensíveis ao preço”, disse  o executivo.

Desafios

Não é porque ter essa oferta pode ampliar as vendas que é algo simples e fácil de se fazer. Há desafios que precisam ser olhados, como os relacionados com a logística, confiança, preço e experiência do cliente.

“As vendas internacionais são bastante mais simples do que muitos varejistas julgam e todos os dias verificamos o impacto positivo que vender para mercados internacionais pode ter no crescimento do negócio dos nossos clientes”, afirmou.

A DHL indica que os varejistas online podem adotar vários passos relativamente simples para identificar, cultivar e satisfazer a procura vinda do estrangeiro. O relatório destacou, por exemplo, que a tendência do comércio eletrônico deu origem a um novo ecossistema de facilitadores e soluções diretas (como fornecedores de pagamentos e programas que localizam a experiência do visitante de check-out de um site), ajudando os varejistas a adaptarem a sua oferta ao mundo digital e a realizarem transações com clientes de mercados estrangeiros.

“A oportunidade de ‘tornar-se global’ e ‘tornar-se premium’ existe para muitos varejistas em todos os mercados. A nossa rede global porta-a-porta de prazo específico está plenamente apta para apoiar qualquer varejista que esteja desenvolvendo uma oferta de serviço premium ou que simplesmente procure uma forma de chegar até novos mercados estrangeiros diretamente sem investir recursos em armazéns ou distribuição”, conclui o executivo.