O futuro do varejo é sob demanda

Maior evento de varejo do mundo, que ocorre em Nova York, debate as exigências dos consumidores, cada vez mais voltadas para experiências personalizadas

cred: NRF (Reprodução)

Mais do que nunca, experiência importa no varejo. E este foi um dos temas mais frequentes durante o Retail’s Big Show, o maior congresso de varejo do mundo, que acontece nesta semana em Nova York, organizado pela NRF (National Retail Federation), a associação de varejo dos Estados Unidos.

“Não há dúvidas de que a gente tem visto uma mudança no modo como os consumidores compram e se comportam”, afirmou Linda Kirkpatrick, vice-presidente executiva de desenvolvimento de mercado para os Estados Unidos da MasterCard.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Segundo ela, consumidores de todos as faixas etárias estão mais dispostos a gastar mais com experiências do que com coisas e estão mais interessados em varejistas que ofereçam experiências pessoais, customizadas, digitais e sociais.

Neste cenário, ganham negócios que já atuam neste sentido, como a Shoes of Prey e a Indochino. As empresas estão criando produtos customizados de forma que eles sejam experiências únicas e memoráveis para os consumidores.

A Shoes of Prey, por exemplo, permite que os consumidores desenhem os próprios sapatos usando ferramentas digitais. A Indochino, por sua vez, permite que consumidores customizem ternos.

Jodie Fox, co-fundadora e CCO da Shoes of Prey, e Drew Green, CEO da Indochino, debateram, durante o evento, como o varejo de experiência está mudando todo o setor e como a customização de massa e a produção sob demanda é a chave para o futuro do varejo.

“Pensamos no nosso negócio mais como a venda de uma experiência do que como a venda de um produto”, afirmou Green. “A produção sob demanda criará um mundo totalmente novo”, acrescentou Fox.

E nesse debate, tecnologia é a chave, pois permite capturar o que os consumidores querem e produzir peças da maneira mais eficiente, confortável e única possível.

Segundo os executivos, enquanto a customização de massa não parece ser praticável e acessível para todos os varejistas, a produção sob demanda e a impressão 3D abrem portas para um mundo novo.

Como parte desse mundo de experiência, a Indochino, que nasceu na internet, está abrindo lojas, que atuam como guias que ajudam os consumidores a criarem o terno perfeito.

O desafio, afirma Green, é manter o foco na experiência do cliente, apesar do rápido crescimento da marca. “Não importa o tamanho da companhia, nunca perca a mentalidade e cultura de startup”, indicou o executivo para a audiência.

Para o futuro, Fox, da Shoes of Prey, vê o cliente entrando em um closet, onde diz para um computador o que ele gostaria de vestir naquele dia e o closet futurístico produz a roupa enquanto o cliente está no banho.

“O modo como temos ideias como essa é colocando o cliente no coração de tudo. Você deve se colocar no lugar do cliente e imaginar o que faz uma experiência divertida e conveniente pra ele”, afirma Fox.

A customização e o futuro do varejo também serão temas do principal evento de varejo do País, o BR Week – Brazilian Retail Week, que, neste ano, tem como tema central  “A hora da virada: o varejo na era da experiência”. O evento acontece em São Paulo, entre os dias 26 e 29 de junho, e as inscrições já estão abertas.

Com Jennifer Overstreet, da NRF