Banco próprio e atacarejo são apostas do Carrefour para 2018

Por: Raphael Coraccini 20.748 views

Atacarejo continua sendo aposta do Grupo Carrefour ao lado dos serviços de cartão de crédito, que representaram boa parte do faturamento da rede em 2017

O Grupo Carrefour aposta em crescimento de 100% no número de cartões de crédito do Atacadão (rede de atacarejo que pertence ao grupo) para 2018, passando dos atuais 1 milhão de unidades para 2 milhões até o fim do ano. Atualmente, 60% das operações no Atacadão ainda são feitas com dinheiro.

Segundo os executivos do grupo, as compras com cartão tanto na rede de atacarejo quanto no varejo garantem importante aumento de faturamento, 15% a mais que em outras modalidades. Além do aumento no tíquete médio, o Carrefour espera ampliar sua base de dados e conhecimento sobre histórico de compras dos clientes com os programas de fidelidade.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora!

Os cartões da rede são operados pela joint-venture Carrefour Soluções Financeiras (CSF), que tem 51% de participação do Carrefour e 49% do Itaú. Cerca de 70% das movimentações no cartão Carrefour acontecem fora da rede. No cartão Atacadão, 50% da movimentação é externa.

O Carrefour Soluções Financeiras cresceu 20% ao longo de 2017 na comparação com o ano anterior e representou mais da metade do crescimento total do grupo, que foi de 32%. O faturamento só com os cartões foi de R$ 20 bilhões no ano passado, superando os R$ 16 bilhões de 2016. A carteira de clientes do banco subiu 10%. Só o cartão Atacadão apresentou um crescimento de 22%.

Somando os cartões Atacadão e Carrefour, o CSF já é o sexto maior emissor de cartões do Brasil. Segundo Paula Toledo, presidente da CSF, o faturamento nos cartões está acima do mercado desde 2012 e cresceu de 5% para mais de 15% no ano passado. “As tarifas aplicadas permitiram repor as quedas nas taxas de juros entre 2016 e 2017”, diz a executiva.

Atacadão

As lojas da bandeira Atacadão devem ganhar mais 20 unidades até o fim de 2018, todas em novos terrenos. ao contrário do que o grupo havia feito no início da expansão da bandeira, quando houve conversão de hipermercados em unidades de atacarejo. O Carrefour espera abrir entre 120 e 140 unidades da bandeira nos próximos anos.

Noel Prioux, CEO do Grupo Carrefour, não descarta crescimento inorgânico, por meio de compras ou fusões. “Temos uma base forte de atacarejo e hipermercado, mas estamos abertos a parcerias em qualquer formato”, afirma.

Carrefour no varejo

Além das 20 unidades do Atacadão, o grupo espera abrir, em 2018, 10 unidades do modelo Market e 20 do  Express. O crescimento do braço de varejo do Carrefour arrefeceu ao longo de 2017, mas, segundo Stéphane Engelhard, VP de assuntos corporativos, a redução mais lenta no varejo é também resultado das estratégias de longo prazo.

A contenção na abertura de novas unidades seria capaz de aumentar a lucratividade da operação de varejo, mas travaria a transformação digital, diz Engelhard. “Parando a expansão, é de se esperar um aumento na lucratividade para o dia seguinte, mas não é isso que a gente quer. A estratégia do Carrefour contempla soluções omnichannel. Sem abertura de novas lojas e multiplicação dos pontos de venda, como vamos fazer para linkar o mundo da internet como o mundo físico?”, questiona.

Custos no varejo crescem

O crescimento do Carrefour no varejo em 2017 foi de 1,8%, considerado pelo grupo “muito positivo” se comparado ao ano anterior, quando houve retração, mas apenas uma fração do crescimento do grupo.  Segundo os executivos, ao longo de 2017, o custo de operação do varejo aumentou 7%, sendo 3,3% concentrados no terceiro trimestre do ano.

Para 2018, os executivos calculam uma mudança acentuada na curva inflacionária e os preços devem deixar de cair para subirem 5% até o final do ano. É a esperança de uma retomada mais animadora no varejo e de um crescimento ainda mais acentuado no atacarejo.

Leia também: 

As novas tecnologias por trás da loja conceito do Carrefour

Carregando...

Carregando... por favor, aguarde.