Mercado Livre lança manifesto contra os Correios

Por: André Jankavski 3.736 views

Segundo a varejista eletrônica, os Correios podem aumentar até 51% nos fretes a partir do dia 6. Mercado Livre protesta em e-mail para usuários

créd: Shutterstock

O Mercado Livre decidiu bater de frente com os Correios. Uma das principais contratantes do serviço estatal de entregas, a companhia se manifestou por meio de um e-mail para os seus usuários e um site onde acusa os Correios de aumentar o valor dos fretes em até 51% para repassar custos de sua ineficiência operacional.

Os Correios não se pronunciaram oficialmente sobre esse aumento. Na última sexta-feira 23, no entanto, o Mercado Livre recebeu a tabela contendo os novos preços a serem praticados. Na média, o aumento foi de 29%.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

“Se analisarmos qualquer critério macroeconômico, não chega nem perto desses valores”, diz Leandro Soares, diretor da área de Mercado Envios. “E foi algo sem negociação, imposto pelos Correios.” Em 2017, a inflação no Brasil fechou em 2,95%, menor do que o piso da meta do Banco Central.

Esse aumento vai fazer o frete brasileiro se isolar na primeira opção como o mais caro da América Latina, mostra um levantamento da empresa.

O Mercado Livre afirma que as entregas no Brasil ficarão 42% mais caras do que na Argentina e 160% superiores às vistas no México. Quando comparado ao mercado colombiano, a distância será ainda maior: 282%.

Segundo a nova política de preços dos Correios, os valores de frete de um estado para outro vão aumentar. Logo, moradores fora dos grandes centros sentirão a mudança no bolso – assim como os vendedores que subsidiam parte ou totalmente o frete.

De acordo com o Mercado Livre, um frete de um produto de São Paulo para Joinville, por exemplo, subirá de R$ 40 para R$ 57.

Áreas de risco

Outro fator que chama a atenção é a cobrança extra dos Correios para locais que são classificados como áreas de risco. Lembra do Rio de Janeiro? Então, por conta da crise econômica e de segurança na região, cada pacote terá um acréscimo de R$ 3 no frete total.

“Em nenhum lugar que trabalhamos existe essa taxa”, diz o executivo. “Se o local é de difícil acesso, há um aumento de prazo, mas não de valor.”

A ofensiva do Mercado Livre é compreensível. Os Correios tratam-se do principal parceiro logístico da companhia. Somente na operação brasileira plataforma são 110 mil famílias vendendo diretamente, fora as companhias parceiras que usam a área de marketplace da companhia.

Além disso, desde o ano passado, o Mercado Livre vem investindo alto em promoções de fretes grátis. A estratégia vai em linha com o crescimento de marketplaces concorrentes e a chegada de gigantes no Brasil, como a Amazon. Caso o aumento vá para frente, haja subsídio.

“De qualquer forma, vamos continuar com políticas que façam o frete o mais barato possível buscando uma democratização do comércio eletrônico”, diz Soares. “Isso faz parte da nossa estratégia.”

Segundo com o relatório Webshoppers, publicado pela consultoria Ebit, 25,5 milhões brasileiros fizeram pelo menos uma compra pela internet no primeiro semestre do ano passado, 10,5% de crescimento em comparação ao mesmo período de 2016.

No ano passado, os Correios também descontinuaram a modalidade e-Sedex, que fornecia entregas rápidas com preços mais atrativos para o e-commerce. Procurado, os Correios não deram retorno até a publicação desta reportagem.

Carregando...

Carregando... por favor, aguarde.