MPEs paulistas aumentam lucro em 2017 após 3 anos de quedas

Por: Leonardo Pinto 2.629 views

Setores como comércio e serviços se destacaram e ajudaram as MPEs a atingirem faturamento positivo depois de forte retração

Licro das MPEs registrou primeiro crescimento no lucro depois de crise e baixas consecutivas Cred: Shutterstock
Licro das MPEs registrou primeiro crescimento no lucro depois de crise e baixas consecutivas Cred: Shutterstock

Após três anos seguidos de baixas no lucro, as micro e pequenas empresas (MPEs) do Estado de São Paulo encerraram 2017 com resultado positivo. Segundo pesquisa “Indicadores”, do Sebrae-SP, houve aumento de 5,1% no faturamento real (já descontada a inflação) sobre o acumulado de 2016. A receita total das MPEs em 2017 foi de R$ 635,9 bilhões, o que representa R$ 30,9 bilhões a mais.

A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Ao considerar apenas dezembro de 2017, as MPEs paulistas apresentaram variação positiva de 0,4% na receita em relação ao mesmo mês do ano anterior. Apesar de ser uma alta relativamente pequena, foi o décimo mês consecutivo de crescimento real no faturamento no comparativo anual.

“São dez meses ininterruptos de crescimento do faturamento dos pequenos negócios. É um claro sinal de que a retomada da economia está mais consistente”, explica o presidente do Sebrae-SP, Paulo Skaf.

MPEs de comércio e serviços em alta

Em 2017, o Sebrae informa que o faturamento das MPEs foi puxado pelo comércio e pelos serviços, que registraram aumento de 5,6% e 6,4% na receita real, respectivamente, ante o acumulado de 2016. As MPEs da indústria, porém, chegaram ao fim do ano passado com queda de 0,7% no faturamento.

Regiões

O melhor desempenho das micro e pequenas empresas se registra no próprio município de São Paulo, com aumento de 7% no faturamento acumulado de 2017. Em seguida, aparecem os pequenos negócios do interior, com crescimento de 5,1%. O Grande ABC apresentou o pior resultado, com retração de 7,7%.

“A explicação para as MPEs do Grande ABC destoarem negativamente está no fato de a região concentrar empresas da indústria, cuja recuperação demorou mais do que a de outros setores. Especificamente para as MPEs da região do ABC, a retomada começou apenas em outubro; é possível que nos próximos meses já apareçam resultados melhores”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano.

Leia também:

Cartões representam quase 38% das vendas do comércio

Carregando...

Carregando... por favor, aguarde.